Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Durante a Primeira Guerra Mundial, no século XX, a medicina obteve inúmeros avanços técnico-cirúrgicos. Nesse ínterim, desenvolveram-se procedimentos como o transplante de órgãos, que possibilitou um tratamento alternativo às pessoas acometidas por doenças e acidentes que incapacitaram o funcionamento de partes do organismo. No entanto, a doação de órgãos no Brasil Contemporâneo, ainda enfrenta falta de informação e entraves culturais e éticos. Nesse sentido, é necessário um amplo debate acerca do tema. 
      Segundo Franz Kafka, a solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito à dignidade humana. Nessa perspectiva, a doação de órgãos exprime um ato de amor à vida. Entretanto, algumas famílias ainda enfrentam dilemas éticos na decisão de doar os órgãos do ente falecido. Esse fato ocorre em razão da dificuldade de compreender o conceito de morte encefálica, haja vista que o coração do paciente continua batendo. Da mesma forma, a religião pesa na hora de decidir, mesmo que nenhuma doutrina posicione-se contrária ao ato, a fé em um milagre alimenta a esperança e impede a doação. 
    Diante desse cenário, a despeito do número de pacientes na fila de espera crescer no país, o número de doadores efetivos não é suficiente, além de não acompanhar o mesmo ritmo. De acordo com o Sistema Único de Saúde (SUS), responsável por 90% dos procedimentos, são 41 mil pessoas aguardando por um doador. À vista disso, dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) revelam que de cada oito potencias doadores, apenas um é notificado, ou seja, a falta de infraestrutura dos Hospitais Públicos colabora para que o número de transplantes não aumente. Outrossim, a situação é agravada pelo despreparo das equipes médicas em notificar a família e promover a doação, visto que quando as dúvidas dos familiares são bem esclarecidas aumenta-se a possibilidade dela acontecer. 
       Torna-se evidente, portanto, que medidas são necessárias para resolver o impasse. Nesse aspecto, é fundamental que o Ministério da Saúde, em parceria com escolas e Ongs, realize campanhas de esclarecimento e palestras para a comunidade, além de estabelecer programas de educação contínua à crianças e adolescentes no ensino básico, a fim de introduzir o assunto na sociedade e aumentar o número de doadores. Além disso, cabe as Instituições de Ensino Superior formar profissionais de saúde capacitados e especializados para trabalhar com a captação de órgãos, mediante treinamento de boas práticas de comunicação em situações criticas, ainda na graduação. Ademais, cabe a mídia, por meio de histórias fictícias, levar informações à população, com intuito de desmistificar crenças e mitos e para que se forme uma opinião favorável à doação de órgãos.