Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Orgãos (ABTO), no primeiro semestre de 2017, as cirurgias de transplantes aumentaram 16% em relação ao ano passado no Brasil, o que ratifica o progresso nessa área.Contudo,a demanda por orgãos ainda é muito superior à quantidade de doações, devido à resistência dos familiares na aprovação do procedimento, bem como a ausência de informações acerca do processo de doação na mídia.
         Devido a fatores éticos,aliados à abordagem inadequada dos profissionais da saúde acerca da morte do paciente e o destino dos orgãos, a doação é um dilema para os parentes que possuem pouco conhecimento acerca da morte encefálica, esta que possui sintomas pouco usuais,como batimentos cardíados e temperatura normal do corpo, de forma que, induz a  família a considerar a situação reversível.
          Apesar da mídia servir como grande influenciadora e conscientizadora da população, há ausência de debates e propagandas fornecedoras de conhecimento a respeito da importância de ser um doador e como o procedimento é feito, isto é, disseminar o tema com frequência e de maneira coesa, a fim de despertar interesse nos telespectadores sobre o assunto.
          Com base nos fatos mencionados, faz-se imprescindível a atuaçaõ do Ministério da Saúde para fornecer palestras gratuitas aos profissionais da saúde,estas baseadas na comunicação e interação solidária entre médicos e pacientes, a fim de assegurar o sanamento de dúvidas sobre a morte cerebral, bem como o destino dos orgãos de seus entes queridos.É fundamental,também, a mobilização das redes televisivas na disseminação de conteúdos voltados à doação de orgãos,como entrevistas com especialistas,que por meio de debates,esclareçam como ocorre a cirurgia,os riscos e em quais situações se é permitido doar,tudo com o objetido trazer o maior número de pessoas  à causa de salvar vidas.