Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    A doação de órgãos no Brasil e seus principais desafios                                                                                                                                                  
      O primeiro transplante de órgãos feito no Brasil aconteceu em 19 Abril de 1964, quando um rim foi transplantado no Rio de Janeiro. No entanto, existem poucos doadores para uma demanda alta, e um dos principais problemas está ligado a reclusão das famílias e a distribuição das equipes especializadas.
    Embora a doação de órgãos é realizada quando há morte encefálica do paciente, ou seja, os sistemas do corpo ainda funcionam com a ajuda de aparelhos, mas o comando principal que é o cérebro não se apresenta mais em funcionamento. Porém, a falta de informações e discussões sobre o assunto, gera a rejeição familiar em relação a doação que  dobrou 22% em 2008 para 44% em 2015, segundo a ABTO ( Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos). Dessa forma, medidas precisam ser tomadas para combater esse problema, como eventos de incentivo para que convençam a população que a prática é de extrema importância para a vida.
    Entretanto, apesar do Brasil possuir o maior programa público de transplantes do mundo, mais de 40 mil pessoas aguardam na fila. É um número que poderia ser reduzido já que 95% dos procedimentos são feitas pelo Sistema Único de saúde (SUS), com a assistência da Força Aérea Brasileira (FAB) que facilita o transporte de órgãos até o hospital. É importante salientar que a doação não precisa ser feita somente após a morte encefálica, ela também pode ser em vida.
    Em vista dos fatos mencionados, para aumentar a taxa de doação de órgãos é imprescindível o esforço coletivo. Portanto o Ministério da Saúde, deve criar campanhas midiáticas com o poio da imprensa, redes sociais e empresas privadas para informar e alertar a população sobre a importância de ser doador de órgãos. Além disso, é necessária a comunicação sobre o assunto no ambiente familiar, para que assim possa diminuir o altos índices na lista de espera.