Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Como ocorreu no filme Tráfico de Órgãos, de 2010, a necessidade de um pulmão para sua filha fez o promotor de justiça Paul ir ao México para compra-lo ilegalmente. Análogo a isso, na realidade, casos como esse são comuns, mesmo que seja ilegal para muitos países. Tal fato se deve não só pela grande fila, mas também pela falta de diálogo no ambiente familiar.
       De um lado, pessoas desesperadas em busca de órgãos para seus familiares, de outro, uma grande fila de pessoas esperando. Essa é a situação vivida por quem necessita de um doador no Brasil. Nesse sentido, é possível destacar o baixo número de doadores que tem como principal causa a falta de informação. Como é possível evidenciar na reportagem do G1 que mostra a queda de 53 para 24 o número de doadores no estado do Pará nos últimos anos, por não ser passado às pessoas a importância da doação e que um único doador consegue salvar cerca de 10 vidas. Assim é percebe-se que a comunicação é uma das principais causas das filas.
        Além disso, a falta de conversa no ambiente familiar impacta diretamente no número de doadores. Visto que, de acordo com o site do Governo do Brasil, para que a doação seja realizada, os parentes precisam estar de acordo, não importando se o falecido autorizou ou não. E como ocorreu no filme Trafico de Órgãos, muitas vezes as pessoas descumprem as leis para que consiga salvar a vida de alguém próximo, mas sabendo que para que isso se realize, outra pessoa terá que perder o órgão roubado. Por conseguinte, é possível afirmar que há uma troca de vidas entre o doador e o receptor.
       Entende-se portanto que os dilemas acerca da doação de órgãos podem gerar filas que duram anos e até mesmo morte por parte de pessoas que inicialmente não tem envolvimento com o caso. Dessa forma, o Governo, autoridade maior no estado, deve intensificar a divulgação sobre o tema por meio das mídias, campanhas e panfletos em todo o país para que as pessoas se sensibilizem e aceitem doar. Ademais, aos interessados em doar, devem comunicar anteriormente a seus familiares para que eles saibam o seu desejo.  Só assim, teremos uma redução na fila e a extinção da necessidade do tráfico que acabam por auxiliar gangues e facções criminosas.