Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Na atualidade, com o desenvolvimento da medicina e da técnica científica, tornou-se possível realizar cirurgias de transplante, na qual uma única pessoa pode salvar várias outras. Dessa forma, a doação é uma prática, acima de tudo, de caridade e amor com o próximo, mas para isso, não somente é necessária a boa vontade, é também a estrutura médica e a proteção da lei. A partir dessa óptica, pode-se destacar duas questões: o tráfico internacional de órgãos e a conscientização social. 
        A priori, pode-se ressaltar que o tráfico de órgãos como uma das cinco ilícitas mais praticadas no mundo. Comprova-se isso, por meio dos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), na qual estabelece em média 10% de todos os órgãos transplantados são originados do mercado negro, um negócio que movimenta milhões, sendo a Organização. Dessa forma, também observa-se essa realidade não distante do Brasil pelos inúmeros casos de compras de órgãos nas periferias das cidades, como ocorre em Recife, segundo a Promotoria do Estado. Assim, é essencial a atuação de forma contundente do poder público para frear essa ação criminosa no território nacional. 
      Destarte, convém analisar uma escassa conscientização da sociedade brasileira acerca da importância de doação de órgãos. Prova-se isso a partir dos dados do Ministério da Saúde, o qual indica um aumento de 60% de doações na última década, mas mesmo assim, a fila de doação tem uma média de espera de 5 anos e, quase metade dos possíveis órgãos a serem doados são perdidos pela negativa das famílias à doação. Percebe-se acerca disso, a necessidade de se investir na conscientização da sociedade para promover a redução dessa extensa perda de doações.
         Para remediar esse cenário, portanto, faz-se importante a atuação da máquina pública, via o Ministério da Justiça adjunto a Procuradoria Geral da República (PGR), na promoção de ações investigativas em hospitais, visando mitigar a ocorrência de crimes, como a comercialização de órgãos, aplicando a lei de forma incisiva. Além disso, a atuação do Ministério da Saúde e da Cultura na realização de peças publicitárias com o intuito de fomentar a solidariedade no seio das famílias brasileiras, da importância que esse gesto representa na vida de muitas pessoas. Logo, a pátria brasileira poderá, por caminhos exitosos, superar as barreiras do dilema da doação de órgãos.