Envie sua redação para correção
    A doação de órgãos é um ato de solidariedade com o próximo e que salva vidas. Entretanto, o número de doadores, no Brasil, ainda é inferior a quantidade de receptores. Isso mostra, que essa questão não tem a aceitação necessária em função do medo exacerbado, originado pelo pouco conhecimento a respeito deste procedimento, pelos familiares, e pela falta de estrutura no país para a ocorrência desse procedimento.
      Em primeiro lugar, é importante ressaltar que, no Brasil, em casos de morte encefálica quem decide se a doação de órgãos irá ocorrer é a família, o que dificulta esse processo. Isso ocorre, através da falta de informação e discussão sobre o assunto o que de acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), quase 50% das famílias se recusam doar o órgão do paciente. Além de, não ocorrer uma discussão sobre o assunto que é delicado para os familiares e a falta de suporte emocional, que poderia ser dado pelo médico na hora da notícia, também atrapalha na decisão.
      Ademais, outro ponto que deve-se comentar é a extensão territorial brasileira que somada a má distribuição de medico especialista, por região, dificulta o transplante. Essa concentração ocorre principalmente no Sul e no Sudeste o que faz com que os outros locais fiquem com um déficit alto de equipes especializadas. Além disso, a dificuldade de transporte de um lugar para outro também atrapalha, pois cada órgão tem um tempo útil para ficar fora do corpo. Sendo um exemplo o tempo de preservação do coração que varia de quatro a seis horas. 
      Portanto, analisando as informações dissertadas, faz se necessário que o Ministério da Educação e da Saúde, somados aos meios midiáticos devem criar e investir em campanhas educativas, sobre a doação de órgãos, através de especialistas da área. Para que, assim seja possível que a população se sita esclarecida sobre esse assunto. Além disso, deve ocorrer um incentivo aos médicos de cada estado, através do governo, para que eles busquem se aprimorar em transplantes, com a finalidade de se suprir a demanda necessária por região.