Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Embora o Brasil tenha o maior programa público de transplantes de órgãos, ainda é alto o índice de não autorização dos familiares. Isso ocorre, porque em 2001, com a Lei 10.211, a decisão sobre doar ou não os órgãos passou a ser da família do paciente. No entanto, se todas as vítimas de morte encefálica doassem, não haveria filas para se conseguir um transplante no país. Nesse âmbito, pode-se analisar que essa problemática persiste devido à recusa da família e da falta de esclarecimento quanto a essa tão importante prática, que salva muitas vidas. 
        Em primeiro lugar, vale ressaltar que o transplante de órgãos é recente na medicina, uma vez que o primeiro registrado no Brasil foi em 1964. Desde então, houve uma grande evolução das técnicas visando evitar a rejeição, visto que houve um crescimento no número de pessoas transplantadas. Apesar disso, as filas de espera aumentam com o passar dos anos, porque, segundo dados do Ministério da Saúde, 43% dos brasileiros negam a doação de órgãos de seus parentes após a morte. Isso acontece por causa da dificuldade de que muitas famílias têm de compreender a morte cerebral, pois pensam que a vítima ainda está viva, devido ao fato do coração ainda funcionar. 
          Por outro lado, cabe destacar, também que a doação de órgãos trás enormes melhorias à saúde de indivíduos afetados por doenças que, de outra forma, seriam incuráveis. Contudo, as campanhas de incentivo a essa prática, não são o bastante, porque a sociedade precisa de mais do que motivação para isso, é necessário haver uma educação sobre esse assunto. De modo que nos países com os melhores serviços de capitação de órgãos no mundo, como a Espanha e os Estados Unidos, por exemplo, essa temática está inserida no cotidiano desde crianças, por intermédio da escola. Logo, como citou o filósofo moderno, Immanuel Kant, o esclarecimento gera mudança no pensamento das pessoas, de modo a levá-las a tomarem decisões benéficas a toda sociedade. 
        Fica evidente, portanto, a necessidade de haver ações para sanar esse problema. Logo, cabe aos hospitais, inserir os familiares do paciente no processo médico e acompanhá-los psicologicamente. Isso tem que acontecer, por meio do diálogo e orientação, de modo que, no caso de óbito, tenham ajuda para lidar com a situação. Ademais, o Ministério da Educação e Cultura (MEC), deve ensinar crianças, de todas as idades, sobre a doação de órgãos, por intermédio da adição ao currículo escolar de discussões. De forma que os alunos mais novos assistam desenhos animados e os mais velhos participem de palestras e rodas de conversas, com profissionais da saúde. Já a Mídia precisa popularizar ainda mais tal tema, por meio da disseminação de informação e mobilização a sociedade, com o intuito de fazer as famílias aceitarem doar os órgãos dos parentes com morte encefálica.