Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    É irrefutável que o número de doadores de órgãos vem crescendo a cada ano no Brasil. No entanto, a quantidade de transplantes é pequena diante da demanda de pacientes que esperam por anos nas filas. Nesse sentindo, não obstante, mediante fatores da esfera social e governamental, o desafio para doação de órgãos se faz presente no país. 
          A priori, é importante ressaltar que a população carece de informações acerca da doação de órgãos. Assim sendo, a falta de confiança sobre o quadro clínico do possível doador, o modo como é feito a coleta, e religiões que proíbem tais práticas são motivos que dificultam para encontrar famílias que se solidarizem com a doação. É possível observar essa problemática quando analisado os dados da Academia Nacional de Medicina, onde cerca de 40% das famílias se recusam a doar os órgãos de seus parentes falecidos. 
          Além disso, outro fator importante a ser mencionado é a centralização da estrutura para coleta, transporte e transplante do órgão. É no sul e sudeste do país onde se encontram as melhores condições para coleta, no entanto, as demais regiões do país carecem equipamentos apropriados de qualidade. Desse modo, somando-se ainda ao despreparo de profissionais que abordarão as famílias propondo a doação, é possível observar que as chances de encontrar um doador diminuem consideravelmente. 
          Destarte, é imperativo que o Estado na figura de Ministério da Saúde invista na estrutura de hospitais nas demais regiões do país e em profissionais especializados na doação de órgãos, desde a proposta à família até o transplante, dessa maneira mais doações poderão ser feitas. Ademais, cabe ao Ministério da Educação a criação de um programa escolar nacional que vise conscientizar os alunos acerca da importância da doação, e como ela é feita, o que deve ocorrer mediante o fornecimento de palestras e peças teatrais que abordem essa temática, além da distribuição de cartilhas informativas para as comunidades. Outrossim, urge que a mídia, por meio de novelas, seriados e campanhas, transmita e propague a importância desse tema, com propósito de informar a população. Como disse Madre Tereza de Caucutá, qualquer ato de amor, por menor que seja, é um trabalho pela paz.