Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Famílias têm de lidar com uma série de dúvidas na hora de decidir se doam ou não os órgãos de um parente recém-perdido. Diante de tantas incertezas, milhões de pessoas optam por não doar órgãos, temendo haver algum tipo de corrupção durante o processo de repasse (Transplante) ou por questões éticas. 
          No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, tem 64 mil pacientes na fila de espera por um transplante de órgãos e, em muitos do casos, que será decisivo para a continuidade da vida de cada um. Dessa forma, o Estado começa a ficar atento com essa situação e busca uma aproximação com a população para informar o procedimento dos transplantes. Entretanto, os noticiários do mundo reportam acontecimentos de venda de órgãos, corrupção nas filas de transplante, subornos, entre outros, esses que, por sua vez, desanimam a população como um todo.
         É fato que os avanços tecnológicos na medicina representaram diversos impactos positivos na saúde mundial, sendo especifico, o transplante de órgãos. Contudo, a população de baixa renda que necessita da saúde pública passa por dificuldades quando inseridas na fila de transplante. Se não bastasse a queda no número de doadores, esses ainda convivem com diversos atos anti-éticos, praticados por pessoa que trabalham na área da saúde.
        Desde 2005, segundo a Organização Mundial da Saúde que o número de doadores vem caindo. Muitas famílias ainda rejeitam a doação por dilemas éticos e falta de informação, mas não se pode dizer que sejam egoístas. É necessário um maior diálogo entre governo e população, à falta de informação vindo do Estado é um dos colaboradores dessa queda. Já os dilemas éticos dificilmente poderá ser revertido, pois é uma questão vindo do modo de criação, tendo relação direta com a religião a qual a pessoa está inserida.
           Como visto, a doação de órgãos deve ser incentivada, visto que é um avanço que representa muito à população como um todo, porém deve haver uma maior fiscalização por parte do governo (poder executivo). Portanto, o Estado, na figura do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação, juntamente com a mídia, pedagogos, psicólogos e médicos, por meio de fóruns e campanhas publicitárias, deverá realizar em espaços públicos, em especial nas escolas, palestras com intuito de informar os benefícios que os transplantes de órgãos acarreta na vida de muitas pessoas. Ademais, o Ministério Público, juntamente com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio de operações policiais e investigativas, deverá aumentar a fiscalização no processo de transplante de órgãos. Para o aumento de doares é necessário que o homem passe a ser humano.