Envie sua redação para correção
    A celeuma sobre os grandes desafios na doação de órgãos vem hodiernamente tomando espaço no mundo contemporâneo.Nesse ínterim,passa abrir portas para o aumento de pessoas em corredores de hospitais.Isso é reflexo de uma ausência política conscientizadora e dos valores de investimentos na saúde julgados como de pouca relevância.Acreditar,pois, que o baixo índice de transplantes não trará agudas consequências ao meio social é pensar leviana e negligentemente.
      Em princípio,as dificuldades entrelaçadas a doação de órgãos é reflexo de uma população ignorante e baixo teor de conscientização.Segundo o  sociólogo Émile Durkheim, o egoísmo individualista é, em grande parte, produto da sociedade.Sob tal ótica,uma grande parcela dos indivíduos criam dentro de si uma ideologia que a doação de órgãos não é de forma satisfatória por não estar sendo  concretizada de interesse pessoal,mas de forma, ajudando ao outro por meio de um simples gesto.Em vista disso,torna-se evidente o aumento progressivo de pessoas que esperam  por transplantes, por consequências do poder individualista.
      Além disso, destaca-se a falta de investimentos para acolher  familiares que desejam doar órgãos de um parente que chegou à óbito por morte cerebral.Nesse viés,por muitas das vezes,mostra-se de forma ausentes profissionais que instituam o procedimento e incentiva os familiares em doar os órgãos,constituindo,assim,o medo de doação.
    Portanto,indubitavelmente, encontrar soluções para minimizar a questão dos grandes desafios diante da doação de órgãos,deve haver projetos de extensão universitária das faculdades de ciências biológicas e de medicina com ciclos de palestras abertas à população sobre o número de pessoas que aguardam em corredores de hospitais por doações de órgãos,tendo assim a formação da conscientização populacional.Outrossim, o governo federal deve fazer aberturas de concursos públicos profissionais formados em serviço social com intuito de mostrar passa a passa do procedimento e caminho,diminuindo, assim, o medo das pessoas em doar órgãos.