Envie sua redação para correção
    Semeando possibilidades
          O trabalho dignifica o homem, e não a criança. Um país que, em 2004, apresenta mais de cinco milhões de crianças e adolescentes trabalhando é alarmante. Garantir que essa população infantil seja assegurada é de extrema urgência e significa investir no futuro da nação. Dessa maneira, os desafios frente ao tema são garantir a segurança dos pequenos, transpor a tradição patriarcal e propor atividades que podem vir agregar habilidades e competências a uma futura profissão e, claro, sem atrapalhar o desenvolvimento infantil.
          Xisto Medeiros qualifica, entre outros, como é cruel o trabalho nessa fase da vida, porém o riso está de fato relacionado à ocupação como prostituição ou trabalhos que colocam em risco a integridade física e mental do menor. Sendo assim, o entendimento sobre o que é definido por leis que se encontram no Estatuto da Criança e do Adolescente é indispensável para uma sociedade que encontra dificuldade em seguir regras pré-estabelecidas.
        Esse problema não é recente, as raízes culturais brasileiras são marcadas por uma sociedade patriarcal e, desse modo, o trabalho é considerado como uma forma de educar e ensinar o ofício para os filhos, protegendo-os, inclusive, da marginalidade. Outro modo que confirma a redução de futuros infratores são cursos profissionalizantes ministrados em periferias que ajudam a trazer talentos para o centro das atenções.
          Paralelamente aos cursos técnicos, o esporte e a arte podem ser, no primeiro momento, a opção por um caminho diferente. É comum encontrar desportistas que eram apenas frequentadores, de escolinhas, disputando medalhas nas Olímpiadas, oriundos de projetos sociais. Vale ressaltar ainda os grupos culturais como o Nós do Morro, projeto carioca que tem como objetivo aproximar as crianças carentes da realidade do asfalto. Esse projeto funciona como escada e vitrine para novos atores protagonizarem produções nacionais e internacionais.
          A fiscalização sobre os abusos às crianças e aos adolescentes é algo que deve ser conduzido de forma austera para que os prejuízos possam ser extintos. Os cursos profissionalizantes, bem como o ensino do ofício familiar devem ser mantidos, preservando o ensino regular para que eles tenham o direito de escolha profissional futuramente. Além desses atributos profissionais, assegurar o lúdico e a vocação estarão sempre presentes em uma fase que semear sonhos é de suma importância.