Enviada em: 09/05/2018

Árvores desaparecem sem explicação        A obra machadiana "A Causa Secreta" retrata a história de Garcia, médico recém-formado que presencia a tortura do seu amigo Fortunato contra um rato. Porém, atônito com a cena, não consegue interferir, e assim, assiste (e torna-se) complacente de morte dolorosa do animal. Fora da ficção, pode-se notar a incapacidade de ação contra o desmatamento na Amazônia que torna os brasileiros meros telespectadores, assim como Garcia, devido a atual ineficácia das ações fiscalizadoras e a falta de ética de certos capitalistas. Dessa maneira, para que a problemática não continue a acontecer diante dos nossos olhos medidas cabíveis contra essa prática precisam ser tomadas.       É indubitável que as ações atuais de fiscalização da Floresta Amazônica são ineficazes. Desde a época da colonização brasileira, observa-se a exploração dos bens naturais do povo tupiniquim, como a extração do pau-brasil pelos portugueses. A situação permaneceu quase a mesma, após 500 anos, porém, a resolução é bastante complicada. Primeiramente, a própria extensão da maior floresta tropical do mundo dificulta a fiscalização e a aplicação de punições. Soma-se, ainda, os casos de corrupção envolvendo policiais incubidos de punir as infratores.        Outrossim, há a falta de ética dos empresários com a compra de madeira ilegal. Segundo Aristóteles, a política deve ser utilizada de modo que, por meio da justiça, o equilíbrio seja alcançado na sociedade. Pela falta de políticas, nota-se um mercado comprador dos recursos naturais do desmatamento, alimentado por certos capitalistas ávidos por um mercado consumidor que não sabe diferenciar madeira legal e ilegal, assim, o brasileiro torna-se participante indireto do mercado negro das madereiras por falta de informações.       Dessa forma, é evidente que ainda há entraves para garantir a segurança da Floresta contra o desmatamento. Destarte, com o fito de atenuar os impasses citados, é sugestivo ao Ministério do Meio Ambiente elaborar um selo para produtos confeccionados com madeira legal para diminuir a falta de informações sobre esse recurso natural disponível no marcado brasileiro. Essa finalidade tem o objetivo de reduzir os problemas advindos do desmatamento e beneficiar empresas Pró-Amazônia, visto ainda que é função do Ministério do Meio Ambiente regularizar o uso sustentável dos recursos naturais para conter o desaparecimento de árvores sem explicação.