Enviada em: 06/09/2018

Desde o iluminismo, entende-se que uma sociedade só progride quando um se mobiliza com o problema do outro. No entanto, quando se observa as dificuldades da plena valorização do idoso no Brasil, hodiernamente, verifica-se que tal ideal iluminista  é constatado na teoria, mas não na prática e a problemática persiste ligada intrinsecamente à realidade do país. Nesse sentido, convém analisar-se as principais consequências de tal postura negligente para a população idosa.  Segundo o site Comciencia, a expectativa de vida no último meio século aumentou cerca de 20 anos no Brasil. Tendo isso em vista, em 2009 foi criado o Estatuto do idoso, no qual foram estabelecidos direitos e deveres da população idosa, dentre eles tem-se o Art.4°, o qual afirma que nenhum idoso deverá ser vítima de violência ou negligência. Tendo isso em vista, caso haja ruptura de tais direitos haverá punições legislativas ao indivíduo. Inegavelmente, a falta de fiscalização sobre tal artigo, faz com que casos de negligencia ocorram constantemente contra  idosos, como por exemplo pessoas da terceira idade são abandonadas em asilos por familiares, tal como casos de  violências realizadas por cuidadores de idosos, os quais se aproveitam da fragilidade do idoso para cometer tal atrocidade. Fica-se assim, evidente a não valorização do idoso por algumas pessoas.  Além disso, atualmente o Brasil se encontra na terceira fase do crescimento demográfico, onde a tendência é de que se haja aumento da população idosa e a diminuição da população ativa economicamente. Sendo assim, o Estado brasileiro deve priorizar a integração da população mias velha na sociedade. Posto que, a população idosa precisa se sentir valorizada, uma vez que contribuíram, anteriormente, para a nação. Tal reconhecimento pode ser através de centros de lazer, como as acadêmias para idosos instaladas nas praças públicas de algumas cidades, que visam a movimentação dessa população, bem como através da reintegração de idosos capacitados ao mercado de trabalho, para que se sintam ativos e socializem. Com o propósito de priorizar a saúde física e mental do idoso.  É evidente, portanto, que ainda há entraves para a efetiva valorização do idoso pela sociedade brasileira. Destarte, o Poder Executivo, deve aumentar a fiscalização sobre os direitos dos idosos, através da criação de um disque denúncia para casos que descumpram o artigo 4 do estatuto do idoso, assegurando assim os direitos desses indivíduos. Além disso, o Ministério da Justiça deverá realizar parceria com os Ministério s da Cultura e da Saúde, para que haja investimento público em espetáculos culturais gratuitos voltados para a população idosa,e haja a criação de novos centros de lazer para essas pessoas, como a construção de mais acadêmias em praças e confraternizações, com a finalidade de integrar tais cidadãos cada vez mais a sociedade, viabilizando assim, seu bem-estar.