Enviada em: 16/10/2018

É notório que todo idoso deve ser respeitado, como acontece na série do "Harry Potter", em que muitos professores de hogwarts já são de idade e, por isso, são reconhecidos e admirados pelos alunos. No entanto, fora da televisão, a questão da valorização do idoso é um tema em pauta no Brasil, pois, apesar de ser assegurada no Estatuto do Idoso, o reconhecimento dos mais velhos não se encontra plenamente desenvolvido e fiscalizado, sendo necessária intervenções para resolver a questão.      Sabe- se que muitos jovens não respeitam o acento da prioridade e desconsideram as opiniões dos mais velhos. Embora os idosos tenham os seus direitos garantidos pelo o Estatuto do Idoso, sem fiscalização nos ônibus e em áreas restritas aos senhores de idade, torna-se mais difícil usufruir dos benefícios que lhes são dados.       Outrossim, o número de idosos aumenta a cada ano, e os avanços da medicina tem contribuído muito para isso, uma vez que ajuda para uma maior expectativa de vida da população. E, estudos dizem que em países onde se valoriza a velhice, os idosos vivem com mais saúde, pesquisa esta que  acarreta por fazer uma inversão à premissa de René Descartes em que ele diz " Penso, logo existo", para Reconheço a velhice, logo aumento a saúde dos mais velhos, mostrando a importância de valorizar os longevos.      Faz- se necessário, portanto, que medidas sejam tomadas para resolver o impasse. Convém que o governo, juntamente com o Estado, fiscalize os locais onde tem áreas restritas aos Idosos, para que possa garantir na prática os seus direitos que já estão no papel. Indispensável, ainda, é que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), juntamente com o Ministério da Educação faça propagandas que incentive não só valorização do idoso, como também mostre aos jovens que não devem ocupar as vagas dos longevos, a fim de manter a sociedade mais educada e preocupada com as pessoas que já estão na fase da velhice. Desse modo, haverá mais reconhecimento para os mais velhos.