Envie sua redação para correção
    Para a filósofa brasileira contemporânea Marilena Chauí, a democracia deve ser um sistema de direitos iguais para todos. Contrariando essa perspectiva, no Brasil, o esporte ainda não é uma prática democratizada, privando, assim, muitos brasileiros de exercerem sua cidadania. É válido, portanto, discutir como o Estado contribui para tal desigualdade e as consequências dessa conduta para o país.
       Mormente, é inocente acreditar que o Poder Público trabalha ativamente para promover a inclusão esportiva no Brasil. Não é por acaso que segundo levantamento feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), apenas 30% das unidades públicas básicas de ensino possuem quadra de esportes. De fato, é inaceitável que ao contrário de serem incluídos socialmente, muitos brasileiros não têm acesso a aulas ou ambientes para jogar, sendo, assim, privados de desenvolver suas habilidades, conhecer outras realidades e até ascender socialmente.
        Ademais, é inegável os impactos que a ausência de exercícios traz tanto para os indivíduos como para o país. Com efeito, a Terceira Lei de Newton salienta que para toda ação há uma reação de mesma intensidade. Apesar de aplicada às ciências naturais, ela alerta para o perigo de desprezar o esporte. De fato, cidadãos que não convivem em grupo não desenvolvem a empatia e solidariedade, os quais são importantes para um país que precisa diminuir índices de violência e criminalidade.Além disso, a ausência de atividades aumentam o risco de doenças que invalidam trabalhadores e lotam hospitais, os quais já estão absurdamente saturados no Brasil.
       Destarte, fica clara a necessidade da inclusão e do exercício da cidadania no esporte brasileiro. Urge, então, que o Ministério da Educação trabalhe para mobilizar os cidadãos a cobrarem do governo melhorias, por meio da promoção de palestras em escolas e universidades, mostrando através de dados e relatos a importância dessa prática, com a presença de especialistas. Espera-se, com isso, alarmar a população e tornar o Brasil um lugar promotor de oportunidades iguais para todos.