Enviada em: 29/04/2018

A adolescência é uma fase de várias descobertas. O pico nos níveis hormonais pode levar ao afloramento de seus instintos sexuais, por conseguinte há uma grande probabilidade de ocorrer de forma desprotegida.        É grande a parcela de adolescentes que ignoram a existência dos métodos contraceptivos, ou simplesmente, não tem acesso as informações necessários para ter o reconhecimento de tal. As jovens com baixa renda e baixa escolaridade são mais propensas à gravidez, em virtude da falta de informação e perspectiva de futuro.        Contudo, a gravidez precoce é um problema de saúde pública, uma vez que causa risco a saúde da mãe e tem impacto socioeconômico, visto que, muitas dessas jovens optam por sair da escola, como um caminho mais fácil, e têm a dificuldade de conseguir emprego.       Portanto, medidas devem ser tomadas para resolver esse impasse. O ministério da educação deve propor a obrigatoriedade de aulas relacionadas a sexo, doenças  sexualmente transmissíveis e gravidez, em todas as escolas, para que assim todas as jovens possam ter acesso as informações tendo como finalidade a precaução, bem como, os adultos e responsáveis devem dialogar com seus jovens afim de conscientiza-los dos malefícios do sexo sem preservativo, com o intuito de que se protejam.