Envie sua redação para correção
    Na animação Wall-e, o espectador é apresentado a um planeta Terra completamente desmatado e inóspito, que virou um depósito de todo o lixo produzido pela humanidade, que já não pode mais habitar o local. Fora das telas, mesmo que o mundo ainda não esteja como representado na ficção, a recente flexibilização das leis ambientais no Brasil preocupa parte da população, que teme um futuro como o do filme. Pois, sem a dura aplicação das leis ambientais, o país está vulnerável a exploração desenfreada que coloca em risco o futuro das pessoas e o bem estar atual.
          A priori, é preciso ressaltar que, esse ano, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) foi retirado da função de proteger áreas de preservação. Além disso, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o desmatamento da Amazônia teve um crescimento de 278% no mês de julho em comparação ao mesmo mês do ano passado. Diante disso, nota-se uma grave crise ambiental, já que a perda de floresta acarreta na diminuição da biodiversidade e aumento da poluição atmosférica, que impacta na saúde das pessoas que podem ter problemas respiratórios.
    
          Outrossim, a maioria da chuva que ocorre no Brasil é formada na Amazônia pela transpiração das árvores, formando os rios voadores, e segue para regiões que dependem dessa água para o abastecimento de represas e para a agricultura. Dessa forma, o desmatamento influencia diretamente na vida de todos os brasileiros e também a nível internacional, já que a Amazônia é a maior floresta do mundo e nela se encontra a matéria-prima para muitos medicamentos desenvolvidos atualmente.
    
          Em suma, a flexibilização de leis ambientais faz com que a natureza seja muito degradada. Diante disso, as ONGs e a sociedade devem pressionar o governo por meio de manifestações e abaixo-assinados cobrando mais fiscalização ambiental. Além disso, o Governo Federal deve criar leis ambientais mais duras, aumentando a pena dos criminosos e deve devolver o poder ao MMA de criar novas unidades de preservação. Assim, a exploração natural no Brasil seria amenizada.