Impactos da flexibilização das leis ambientais brasileiras

Envie sua redação para correção
    Sensatez
    
    
       As consequências, se houver ou não o atenuamento das leis ambientais, são inevitáveis. O que se discute, no entanto, é o tempo que demorará para que seus efeitos possam ser sentidos, podendo ser à curto, médio ou longo prazo.Nesse sentido, é necessário se afastar dos extremos,isto é, a total conservação dos espaço naturais ou o completo uso dos mesmos e defender uma posição sensata: um desenvolvimento seguro e sustentável.     
      À princípio, é imprescindível desmistificar a visão errônea do Brasil como um grande invasor ambiental. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária(Embrapa), cerca de 60% do território nacional é composto por vegetação nativa preservada e apenas 20% por mineradoras, fontes energéticas e áreas de lavoura. Sendo assim, há espaços físicos para o desenvolvimento econômico nacional o qual tem a obrigação, sobretudo, de respeitar os limites naturais e não se sobrepor à vida humana. 
     Contudo, vale destacar a má ocupação vigente dos espaços geográficos.As tragédias de Brumadinho(MG) e Mariana(MG),demonstram a real problemática do Brasil: a falta de fiscalização e medidas preventivas. Ao tomar essas barragens como exemplo, verifica-se que mesmo o poder público sendo notificado que as mesmas possuíam grande risco de quebra, nada foi feito. Portanto, mesmo havendo, segundo o governo atual, uma legislação rigorosa, não foi possível evitar esses desastres. 
       Pela observação dos aspectos analisados, entende-se que uma mudança nas leis ambientais teria efeitos mínimos ou nulos. Logo, é dever do cidadão denunciar, seja através da internet, seja por qualquer outro meio de comunicação, possíveis agressões ao meio ambiente afim de instigar uma mobilização pela sociedade em prol de determinada causa e, assim, exigir do Estado medidas preventivas e punitivas. O último, por sua vez ,deve ser um conciliador entre desenvolvimento econômico e sustentabilidade de forma que nenhum se sobreponha ao outro. Dessa forma, agindo de maneira sensata, todos ou a grande maioria dos interesses serão respeitados.