Impactos da transposição no Rio São Francisco

Envie sua redação para correção
    O governo Federal com o objetivo de melhorar as condições hídricas nas regiões nordestina, que tanto sofre com  a escasses da água, em 2007 inica o processo da transposição do rio São Francisco, o qual irá benefíciar 12 milhões de indivíduos em 390 municípios de território semiárido, porém, a modificação do percurso fluvial trará danos ao meio ambiente, tais como, desmatamento da vegetação nativa como também emigração de animais. 
          A desarborização do trajeto onde localiza a calização do velho chico é necessária a fim de adequar o espaço fisico para que ocorra a passagem da água pelos túneis, por outro lado a extração da flora nativa é um dos maiores causadores de danos ambientais, evidenciado que  em regiões de desmatamento o solo fica frágil suscetível a desabamento e desertificação, sendo assim, necessário recuperar essa área degradada com o plantio de novas arvores, evitando maiores danos ao ecossistema.
        O isolamento geográfico e a destruição do hatitat animal é outra consequesência da transposição, pois com a construção de um aqueduto as regiões ficam separadas uma das outras, logo a fauna predominante desse localidade fica isolada, onde as espécies buscam por moradias em outros locais, de fato resultando na perda do ecossistema nativo, uma alternativa seria a introdução de animália neste espaço. 
         Portanto, após as modificações realizadas no percurso da transposição do rio São Franscisco para contribuir com a população da região semiárida, ficaram os danos ambientais supracitados a serem restaurados, cabe o governo federal criar uma comissão interna em parceria com o Instituto Brasileiro Geografia, para analisar qual o tipo de fauna e flora predominante da localidade, para que possa recuperar o escossistema local, ademais após mapeamento dos danos causados o governo pode buscar apoio nas universidades federais nordestina com os alunos e professores do cursos de bilogia e veterinário a desenvolver atividades práticas no plantio de árvores como também na introdução de espécies de animais no local afetado, assim restaurando a fauna e flora.