Intolerância e discurso de ódio contra minorias

Envie sua redação para correção
    Desde o iluminismo, entendesse que uma sociedade só progride quando se mobiliza com o problema do outro. No entanto, quando se observa em nossa sociedade, a Intolerância e os discursos de ódio contra as minorias, verifica-se que este ideal iluminista é constatado na teoria e não desejavelmente na prática e está problemática persiste intrinsicamente em nossa realidade, seja pelo contexto histórico, seja pela Internet por meio das redes sociais. Nesse sentido, convém analisarmos as principais consequências de tal postura negligente para a sociedade.
      Em primeiro plano, a desvalorização das minorias está intrinsicamente em nossa sociedade desde antes mesmo da Idade média no século XIV, com a cultura formada do papel da mulher na sociedade, bem como, posteriormente os dos negros. Nesse sentido, segundo o filósofo Immanuel Kant, em sua teoria do imperativo categórico, os indivíduos deveriam ser tratados, não como coisas que possuem valor, mas como, pessoas que possuem dignidade. Analogamente a realidade vivida por esta parcela da sociedade fere não somente preceitos éticos e morais, mas também constitucionais como o da Declaração Universal dos direitos Humanos. Desta forma a família primeiramente ao educar uma criança é a responsável por formar o modo de pensar deste individuo, pois o ambiente familiar tende a refletir como posteriormente ele se comportara em sociedade. Desta forma somente ensinando o respeito ao próximo, bem como, os direito de todos podemos aos poucos deificar o que a história moldou em nossa cultura.
      Ademais, a utilização da rede mundial de computadores alimente o ódio e o desrespeito com o próximo, no qual qualquer pessoa pode postar em suas redes sociais ofensas alimentados pela sensação de impunidade em que este veículo passa aos seus usuários, bem como, ao utilizar plataformas como o Face book e expor a sua opinião se depara com outros indivíduos que o apoiam e também deferem ofensas. Desta forma a internet ao oferecer um certo anonimato gera uma rede de propagação de antipatia e impunidade. Analogamente, o jornal oglobo publicou em seu site que no ano de 2016, 87% das menções sobre racismo, política e homofobia em redes sociais são negativas.
       Infere-se, portanto, que ainda a entraves para garantir a solidificação de políticas que visem construção de um mundo melhor. Destarte, é mister a união de poder legislativo e sociedade afim de desmitificar quaisquer diferenças moral de não respeito com as diferenças. Faz-se necessário rodas de discussão de temas pertinentes a sociedade e seus impactos entre professor e alunos em aulas de sociologia, bem como, palestras com psicólogos afim de criar nos jovens um sentimento de igualdade independentemente de cor, raça e gênero para que desta forma objetivemos um mundo melhor.