Intolerância e discurso de ódio contra minorias

Envie sua redação para correção
    Desde o Iluminismo, entende-se que uma sociedade só progride quando um se mobiliza com o problema do outro. No entanto, quando se observa a intolerância e o discurso de ódio contra minorias em pleno século XXI, percebe-se que esse ideal iluminista é verificado na teoria e não desejavelmente na prática. Diante dessa perspectiva, cabe avaliar os fatores que favorecem esse quadro.
         Deve-se pontuar, de início, que os negros, índios, LGBTs e mulheres são comunidades afetadas pelos comportamentos discriminatórios dos grupos dominantes vigentes. A respeito disso, sabe-se que, durante o século XIX, a ciência criou o conceito de determinismo biológico, utilizado para legitimar o discurso preconceituoso de inferioridade de minoritários, no qual cada grupo é julgado por características biológicas. Em suma, infere-se que esse preconceito tem raízes históricas, a qual acarreta a falta de consciência coletiva de tolerância com esse grupo pela sociedade.
         Vale ressaltar, também, que o aparato estatal brasileiro é ineficiente em relação à impunidade desses discursos de ódio. Segundo o site O globo, cerca de 84% das menções sobre temas como racismo e homofobia são com abordagem negativa, de exposição do preconceito e discriminação. Uma vez que, geralmente, os agressores não são identificados ou recebem leves advertências, já para os grupos minoritários  que sofrem de aversões, os danos podem ser irreversíveis. Portanto, é evidente que medidas precisam ser tomadas para resolver esta problemática. 
         Desse modo, o Ministério da Educação deve investir em campanhas, por meio da mídia, como publicações e propagandas, com o apoio de pessoas influenciadoras de opinião, para educar e conscientizar a população sobre a importância de tolerar e respeitar as pessoas e suas diferenças. Bem como, é preciso que o Ministério da Justiça proíba e puna indivíduos que discursam ódio contra minorias, por intermédio da efetivação de leis, a fim de que os transgressores da lei sejam punidos. Assim, o ideal iluminista será verificado na prática.