Intolerância e discurso de ódio contra minorias

Envie sua redação para correção
    Intolerância atômica: Em busca da desintegração do preconceito
          Albert Einstein afirmava que era mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito enraizado. Tragicamente, essa pessimista percepção do famoso físico representa o cenário hodierno a respeito da intolerância e ódio contra minorias. Nesse sentido, é indubitável afirmar que a discriminação vigente na sociedade é estrutural e deve ser combatida obstinadamente, de modo a evitar a segregação social.
        Não raro, as pessoas vítimas de intolerância configuram uma porcentagem significativa da população em geral e que, contraditoriamente, sofrem opressão de um grupo privilegiado, que por vezes, é diminuto. Essa incongruência possui precedentes históricos, visto que, a sociedade europeia estabeleceu padrões culturais e passou a impor tal estilo de vida ao resto do mundo. Dessa forma, é evidente que o discurso de ódio atual têm matriz no etnocentrismo propagado através das colonizações e que, infelizmente, reflete na conduta dos indivíduos até os dias de hoje.
          A carta magna de 1988, determina que todos são iguais perante a lei. Entretanto, a realidade vivida cotidianamente  pelas minorias brasileiras conflita com o texto constitucional, uma vez que, os mesmos enfrentam uma desigualdade latente e asquerosa, vindas de outras pessoas. Portanto, a luta contra o ódio deve ser tratada como uma causa legal, cumprindo com todos os requisitos previstos nas linhas constitucionais, e a responsabilidade para com ela, precisa pertencer à toda população.
          Ante os fatos supracitados, é inegável que a intolerância e o ódio contra minorias germina na cultura e a oposição a essa injustiça deve ser aderida por todos. Neste contexto, é pertinente ao Estado, na figura do Ministério da Educação, incentivar o estudo e respeito às diversidades desde o ensino básico. Outrossim, cabe aos meios de comunicação fazerem uso de sua influência em favor desses grupos marginalizados, promovendo a representatividade que os mesmos merecem. Somente assim, o preconceito será mitigado até ter dimensões menores que a de um átomo e por fim, o preconceito será desintegrado.