Intolerância e discurso de ódio nas redes sociais

Envie sua redação para correção
    No episódio "Odiados pela Nação", da série britânica "Black Mirror", uma onda de manifestações de ódio toma as redes sociais, e o uso da hashtag "MorteA" começa a definir assassinatos reais ás pessoas mais odiadas do dia na internet. No contexto atual, a intolerância e o discurso de ódio nas redes sociais, é um problema real.
          A vida contemporânea, está cada vez mais atrelada à tecnologia, e as redes sociais tornaram-se um enorme espaço de comunicação, discussões e trocas de informações. No entanto, muitas vezes, devido à facilidade de difusão de pensamentos e a possibilidade do anonimato, muitas pessoas se utilizam da liberdade de se expressarem para promover manifestações de preconceituosas e discriminatórias contra minorias étnicas, sociais, religiosas e culturais.
          Segundo a ONG Safernet, o índice de denúncias contra páginas com conteúdos de intolerância cresceu em 200% em três anos, desde 2010. Tal comportamento, fere os direitos fundamentais de quem sofre esse tipo de violência e deve ser combatido, visto que, "par a par com com a liberdade anda a responsabilidade", como ensinava o filósofo Santo Agostinho.
    Portanto, medidas são necessárias para resolver o impasse. Assim, o governo deveria criar órgãos públicos para a fiscalização e combate aos discursos que incitam violência. Além disso,  escola e a família têm um papel fundamental no desenvolvimento de indivíduos conscientes da diversidade de cultura, religião e opiniões. Dessa forma, discursos ofensivos serão combatidos e serão formados cidadãos instruídos para o uso responsável das plataformas virtuais.