Lixo e cidadania: “Pensar globalmente, agir localmente”.

Envie sua redação para correção
    Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, cerca de 1,3 bilhão de toneladas de lixo é  produzido no mundo. Evidencia-se, portanto, que o lixo é uma problemática global e está relacionada a graves problemas como o desequilíbrio ambiental e a contaminação de alimentos. Porém, apesar de tratar-se de um imbróglio mundial, é por meio da ação local, como a gestão correta do lixo e a diminuição da sua produção por parte da sociedade, que atenuará de forma efetiva a poluição e seus impactos.
       Em primeira análise, no documentário "Lixo Extraordinário", realizado no aterro carioca, o artista plástico Vik Muniz, além de mostrar lindas obras feitas a partir do lixo, também denunciou a forma inapropriada como os resíduos são tratados no Brasil. Apesar de o governo brasileiro ter estabelecido 2014 como prazo para acabar com os lixões e melhorar a estrutura dos aterros, tais promessas não foram cumpridas. Desse modo, a realidade vigente é a de depósitos insalubres, férteis para a proliferação de doenças e nos quais o lixo é despejado sem critério de separação, o que dificulta o trabalho dos catadores de recicláveis.
       Outro fator adensador da problemática envolvendo os resíduos sólidos é o estilo de vida da sociedade. Dessa forma, o padrão de vida consumista desconscientiza o homem acerca das consequências que as sacolas plásticas, o papelão e uma série de produtos geram para a natureza. No entanto, na contramão dessa tendência e servindo de exemplo, a blogueira Cristal com seu projeto "Um ano sem lixo" mostrou que é possível viver na pós-modernidade gerando um impacto mínimo para o ambiente. Logo, por intermédio da produção de seus produtos de limpeza e higiene, do uso dos orgânicos como adubo e outras iniciativas, Cristal, além de economizar, transmite o valor da consciência ecológica.
       Destacam-se, por conseguinte, a importância da ação local para diminuir os impactos globais do lixo. A fim de gerir melhor os resíduos, o Ministério do Meio Ambiente deve findar os lixões a céu aberto e garantir o aproveitamento dos recicláveis  por meio da criação de um setor intermediário que empregue os catadores e seja responsável pelo recebimento e separação do lixo. Assim, os resíduos serão melhor aproveitados e os impactos, menores. Além disso, a sociedade deve assumir a responsabilidade sobre o lixo que produz e adotar um estilo de vida mais minimalista por meio da redução do consumo e, quando viável, produção de seus próprios produtos, cujas receitas podem ser obtidas em blogs como o de Cristal. Dessa forma, a humanidade e o meio ambiente poderão experenciar os benefícios de uma sociedade que adota uma postura consciente.