Envie sua redação para correção
    Com o advento do capitalismo, aliado posteriormente à globalização, a sociedade pós-moderna tornou-se excessiva e irresponsavelmente consumista. Assim, essa cultura consumista caminha diametralmente em oposto à sustentabilidade, isto é: o desenvolvimento em consonância com a preservação ambiental. Desse modo, é causado um acúmulo desenfreado de lixo, que por conseguinte, gera danos irreparáveis não só à sociedade, bem como a todo o meio ambiente, quer seja pela negligência estatal, quer seja pelo pragmatismo social.
          Dessa maneira, é indubitável que o descaso do Estado esteja entre as causas desse problema. Assim, nota-se uma indiferença estatal, que ao seguir os mandamentos neoliberalistas, regidos pelo imediatismo e lucro, prima pelo acúmulo econômico em detrimento do bem estar social e do meio ambiente. Desse modo, é possível observar que, apesar de haver um abusivo uso dos recursos ambientais, não há devida importância para a preservação e sustentabilidade desses. Portanto, esse acúmulo exponencial de lixo é o resultado dessa negligência.
          Além disso, destaca-se a contribuição social, que ao viver de modo consumista, dá causa a esse aglomerado de resíduos. Prova disso é a afirmação do economista e pensador Adam Smith:" o consumo é a unica finalidade e o único propósito de toda a produção". Dessa forma, é possível analisar que a mentalidade social inclinada ao consumismo, é o fator crucial que alimenta a produção e por conseguinte gera o amontoado de lixos, que pela intensa quantidade, são acumulados em depósitos precários, contaminando pessoas que têm livre acesso aos lixões, contaminando águas e quem faz uso delas, bem como, contaminando também, todo o ecossistema, tanto os fatores bióticos quanto os abióticos, lesando de forma irremediável todo tipo de vida.
          Nesse sentido, de modo a promover um desenvolvimento sustentável, somado à conscientização do consumo, alguns pontos devem ser observados. Assim, o Estado, por intermédio das prefeituras e em parceria com a iniciativa privada, deve criar programas de descarte de lixo inteligente, com uma logística, feita por técnicos, na separação e na coleta, aumentando a eficiência na reciclagem  do lixo, diminuindo o ajuntamento desse, e por consequência, toda a contaminação que ele causa. Aliado a isso, o Ministério da Educação, deve promover atividades lúdicas e palestras informativas nas instituições de ensino, por intermédio de pedagogos e ambientalistas, para os pais e alunos, de modo a contribuir com o declínio do pensamento pragmático do consumismo, promovendo a manutenção da qualidade de vida social.