Envie sua redação para correção
    Brás Cubas, o defunto-autor de Machado de Assis, diz em suas “Memórias Póstumas” que não teria filhos, a fim de nunca precisar esclarecer os legados das misérias humanas para ninguém. Analogamente, além da eutrofização de rios e lagos, a acumulação de produtos não-biodegradáveis enquadram-se no posicionamento da personagem, uma vez que se constituem como desafios da humanidade a serem superados para mitigar o problema do descarte irregular de lixo no Brasil. Assim, é necessário discutir os aspectos sociais e políticos da questão para analisar a questão.
    Em primeiro lugar, cada vez mais rios e lagos brasileiros estão eutrofizados. O processo de eutrofização é, segundo os ecologistas, causado pela acumulação de matéria orgânica -lixo- na água, o qual é utilizado por organismos fotossintetizantes para produção de alimento. Porém, nessa reação, o oxigênio da água é consumido, causando a morte de organismos vivos, gerando não só um aspecto esverdeado à água, mas também mal cheiro. Assim, diversas populações de animais são mortos por conta do descarte não adequado de lixo, o que  arruína a ecossistemas.
    Ademais, produtos não-biodegradáveis utilizados e descartados de forma irregular diariamente, continuarão na natureza por milhares de anos, poluindo solos, rios e comprometendo os ciclos biogeoquímicos. Uma simples folha de papel pode permanecer 6 anos no meio ambiente, já o vidro continua um milhão de anos poluindo. Esse acumulo de lixo sólido e de lixo químicos, como fertilizantes, poluem o solo e impedem os ciclos biogeoquímicos de ocorrerem, o qual compromete a manutenção da vida.
    É evidente, portanto, que é necessária uma intervenção estatal. Logo, o Ministério da Educação, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, por meio de verbas governamentais, deve adicionar à grade curricular do ensino fundamental e médio, aulas ministradas por ecologistas, para debater sobre o lixo e suas consequências para a sociedade, com auxílio de materiais didáticos sobre o assunto. Para que assim, o Brasil aproxime-se de um legado no qual Brás Cubas se orgulharia de repassar.