Envie sua redação para correção
    A obra cinematográfica "O Grande Ditador", de Charles Chaplin, relata a ascensão dos regimes totalitários vivenciados na Europa do século XX, cujo principal aspecto dá-se pelo controle total aplicado pelo líder político, que busca assegurar sua autoridade por meios diversos, dentre eles, o domínio e a manipulação midiática, visando influenciar diretamente no comportamento e pensamento social. Concomitante a isso, a sociedade atual encontra-se em um cenário análogo: o despotismo tecnológico. 
        É relevante abordar, primeiramente, de acordo com a Constituição Federal de 1988, quanto à liberdade de expressão e à privacidade que devem ser garantidas ao indivíduo. No entanto, a ausência de fiscalização no meio virtual propicia a manipulação de informações fornecidas à população, fenômeno semelhante à Industrialização Cultual abordada por Walter Benjamin, filósofo que analisou a colonização e domesticação cultural pregadas pelo sistema capitalista, que priorizava a divulgação de informações rentáveis e a destruição do mecanismo crítico pelas mesmas.       Faz-se mister, ainda, salientar as consequências desencadeadas pelo domínio tecnológico no comportamento social. De acordo com o escritor Vitor Hugo "Quem conduz e arrasta o mundo não são as máquinas, são as ideias". Dessarte, as ferramentas digitais utilizadas pela mídia sobre os usuários tornam o espaço virtual em uma estrutura de poder social que submete a sociedade a aderir visões de mundo limitadas às ideologias defendidas e disseminadas pela mídia dominante. 
          Infere-se, portanto, que medidas devem ser tomadas para contornar o cenário. O Ministério da Educação (MEC) em conjunto com o Ministério da Cultura necessitam promover propagandas e palestras que visam conscientizar o corpo social quanto aos perigos do controle virtual praticado pelas plataformas tecnológicas. Ademais, o governo deve ponderar quanto a importância da criação de um órgão responsável pela verificação do que é difundido pela mídia para impedir violações de privacidade do indivíduo. Dessa forma, é possível combater o despotismo tecnológico.