Envie sua redação para correção
    É incontestável que na sociedade contemporânea o uso abusivo de álcool assola cada vez mais a população, visto que esse é reflexo dos meios sociais em que os indivíduos relacionam-se. Sob tal ótica, os jovens, também, estão tornando-se um dos mais prejudicados, dado que a ausência de pais no hodierno e a integração em um grupo específico contribuem. Todavia, as consequências são várias e muito nocivas, principalmente para os jovens que estão em período de formação.
          Em primeira instância, o álcool funciona como uma forma de escape das problemáticas do cotidiano. No que tange o âmbito familiar, a inexistência de cuidado parental de alguns pais para com os jovens estimulam o uso de bebidas alcoólicas. Com efeito, à falta de preocupação dos responsáveis e a necessidade de alguns adolescentes têm de serem aceitos em grupos, ocasionam a propensão do uso de drogas. Nesse contexto, muitos adultos, também, são alvos das bebidas, haja vista que os transtornos mentais e os problemas como as dívidas, induzem alguns a recorrerem ao álcool.
         Por conseguinte, a dependência e o uso abusivo do álcool causa inúmeras consequências. Assim, verificam-se conforme a OMS (Organização Mundial de Saúde) que 3,3 milhões de pessoas morrem devido as bebidas alcoólicas. No entanto, no caso dos jovens o uso dessas podem ocasionar sequelas potencialmente permanentes, como outras dependências, drogas. Nessa lógica, esse uso inibe o desenvolvimento deles, como o aparecimento de depressão, cânceres, envelhecimento precoce e violência de acordo com o site ''Boa saúde''.
          Torna-se claro, portanto, a urgência em combater o uso abusico de álcool, principalmente na esfera jovem. Mediante aos fatos expostos, cabe as escolas juntamente com o governo, dar palestras aos adolescentes e responsáveis sobre os riscos do uso de bebidas na fase de formação biológica e cognitiva. Faz-se imprescindível, que as instituições de ensino disponibilizem psicólogos, incentivados pelo governo, para auxiliarem na recuperação dos mesmos, pois segundo Pitágoras ''Eduquem as crianças e não será necessário castigar os homens'', reduzindo o uso do álcool na vida adulta e evitando acidentes. Depreende-se, logo, que o Estado deve  efetivar as fiscalizações com ajuda policial em bares, a fim de erradicar a venda de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos, sob pena de multas e detenções.