Envie sua redação para correção
    De acordo com o filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau, a natureza fez o homem feliz e bom, mas a sociedade deprava-o e torna-o miserável. Essa visão é facilmente observada no hodierno cenário global, sobretudo no Brasil, quando analisada a questão do excesso de consumo alcoólico na sociedade. Isso ocorre ora  pela enorme quantidade de propagandas positivas realizadas pelas mídias, ora em função da alta popularidade da bebida no meio familiar. Assim hão de ser analisados tais fatores, a fim de que se possa liquida esse problema de saúde pública, que assombra a sociedade do século XXI.
           Sob esse viés, pontua-se o exagero de propagandas como um empecilho à consolidação de uma solução. Desde a Revolução Industrial ocorrida no século XVIII, o comerciante usa artifícios para lucrar mais, mesmo que o aumento do consumo possa prejudicar a saúde do consumidor. Nesse contexto, a sociedade é bombardeada por comerciais, panfletos e cartazes que trazem a imagem de "modelos sem preocupação" tomando cerveja, levando assim, a uma falsa impressão de que a resolução dos problemas é o álcool. Com isso, as pessoas acabam consumindo quantidades nocivas ao corpo, acarretando problemas de saúde como depressão, dependência e doenças do figado .
    
           Do mesmo modo, destaca-se o consumo familiar  como um fator limitante para um Brasil mais saudável. Conforme o líder pacifista indiano Mahatma Gandhi, o futuro dependerá daquilo que fazemos no presente. De maneira análoga, o enorme número de pais que banalizam o ato de beber, consumindo bebida em frente aos seus filhos agrava a situação.Isso por que, a taxa de dependentes alcoólicos que começaram a  consumir bebida bem jovens é segundo o portal de notícias G1, de  87% dos dependentes. Logo, este fator traz aos jovens uma sensação de familiaridade com a bebida, aumentando cada vez mais o seu consumo e chegando ao abuso alcoólico .
             Portanto, indubitavelmente, medidas são necessárias para resolver esse impasse. É fundamental, portanto, que o Ministério da Saúde em parceria com o Ministério da Educação proporcionem a criação de leis a serem aprovadas pelo Senado Federal, que proíbam qualquer divulgação pela mídia de produtos alcoólicos, a liado a isso, faz se necessário a criação de oficinas de conscientização, a serem desenvolvidas em praças públicas. Esses eventos podem ser feitos por meio de palestras ministradas  por psicólogos que expliquem aos pais a importância de não incentivar indiretamente o consumo de bebida  entre os jovens. Só assim, a visão de Rousseau será contornada e a sociedade será aliada da humanidade na solução de seus problemas.