Envie sua redação para correção
    Modernidade alcoólica
               Na época atual, é inegável que o ritmo frenético no qual tudo é modificado e passageiro, a incerteza e as angústias se estabelecem. De modo que o uso de drogas como o álcool se tornam uma saída para as frustrações cotidianas. Assim, o ambiente criado pela modernidade aumenta o consumo de bebidas alcoólicas pela população brasileira. 
                  Como já foi teorizado pelo sociólogo Bauman: nada é feito para durar. Ele é criador do conceito “modernidade líquida”, pensamento que tem como ideia central a fluidez como as formas sociais se modificam e as incertezas que essa situação gera ao homem. De forma que o cidadão se torne um consumidor e sempre viva com o temor do desemprego, de ficar para trás, de não se encaixar nesse mundo veloz. Esse é um dos principais fatores que faz os adolescentes tomarem o primeiro gole, a necessidade de pertencimento a um grupo social. 
                Em consequência disso, o consumo de álcool se tornou uma regra social. Visto que as pessoas que não bebem sofrem pressão e sejam constantemente obrigadas a explicar a razão de não usá-la. Além disso, tanto para passar por um momento triste como para celebrar uma vitória, a bebida alcoólica é fundamental. Analogamente aos comentários acima descritos, o livro “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley mostra uma sociedade dependente de uma droga chamada soma que é distribuída logo após o horário de trabalho para que os cidadãos possam fugir da realidade. Diante dessa situação, a personagem Bernard Marx, que faz uso da droga, é visto com maus olhos pelos seus colegas. 
              Logo, o Poder Público precisa agir rapidamente para evitar o incremento de novos usuários de uma droga que causa tantos problemas sociais. É imprescindível que o Congresso Nacional aprove uma lei que proíba a propaganda de bebidas alcoólicas bem como obrigue os fabricantes a colocarem advertências sobre o consumo nas suas embalagens. Isso é fundamental para diminuir a percepção da população de que a felicidade está simbioticamente relacionada ao consumo de álcool e a alerte sobre os perigos causados pelo seu uso.