Envie sua redação para correção
    Cerca de 10,3 milhões de brasileiros já tiveram algum sinal ou sintoma de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) como sífilis, HPV, gonorreia e herpes genital. Esse número advém de uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde e só tem crescido visto que, hoje, entre os jovens há um baixo índice de prevenção contra estas infecções. A falta de uma educação sexual nas escolas e o ''tabu'' presente na sociedade também são fatores alarmantes e decisivos para o aumento dessas.
       Em 1987, o AZT (azidotimidina) foi aprovado como o fármaco inibidor antiviral do HIV. Após esse marco revolucionário, milhões de pessoas têm hoje a oportunidade de prolongar suas vidas tratando da Aids. Entretanto, perdeu-se o ''medo'' que se tinha acerca da doença que deixava as pessoas com aparência de  uma pneumonia e anemia profunda. Com isso, a população, principalmente jovem, abdicou o uso dos preservativos por muitas vezes acreditarem que doenças como a Aids possuem cura.
       Os jovens brasileiros têm iniciado a vida sexual entre os 13 e 17 anos, segundo pesquisa do Programa de Sexualidade, da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com o laboratório Pfizer. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), em 2015, dos adolescentes do 9° ano do Ensino Fundamental sexualmente ativos, 33,8% disseram não ter usado camisinha na última relação sexual. Apesar disso, 70% destes afirmaram ter recebido informação a respeito na escola. Ou seja, apenas passar informação não é suficiente.
       Destarte, é de extrema urgência do Ministério da Educação, em associação às instituições de ensino brasileiras, promover uma reforma na Base Nacional Curricular Comum  para que se inclua uma educação sexual que interrompa esse crescimento do número de DSTs entre os jovens brasileiros. Cabe, também, ao Ministério da Saúde e aos representantes municipais e estaduais viabilizar campanhas publicitárias quanto aos riscos dessas infecções e importância do uso dos preservativos, durante todo o ano, além de facilitar o acesso a estes pela população.