O aumento de DSTs entre jovens brasileiros

Envie sua redação para correção
    O número de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) disparou entre a população jovem do século XXI, o que torna-se um panorama preocupante para saúde pública. Desse modo, o indivíduo fica mais vulnerável á desenvolver doenças devido ao desprotegimento nas relações sexuais. Nessa conjuntura, faz-se imprescindível averiguar esse procedimento, bem como mostrar caminhos que os combatem. 
      À vista disso, cabe ressaltar em início o impacto que essas ações acarretam na sociedade. Dessa maneira, pode-se referir os inúmeros casos de gravidez indesejadas correlatado sem uso de preservativos. Ademais, é sabido que as DSTs são frequentes nas relações sexuais descuidadas como, por exemplo, a sífilis e a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 10 anos, a contaminação de mulheres com vírus HIV foi entre 13 a 19 anos, ou seja, as ocorrências são altas nos mais novos, que possuem medo de utilizar a camisinha ou não têm conhecimento adequado á cerca desses riscos. 
      Além disso, o ser humano muitas vezes pensa que essas DSTs são insignificantes. Todavia, estas são graves e podem levar á morte, uma vez que podem causar esterilidade, aborto e nascimento de bebês prematuros. O livro Depois Daquela Viagem retrata uma história de uma jovem que foi contaminada pelo vírus HIV e como ela enfrentou esse problema em sua caminhada vencendo todos os preconceitos e empecilhos, o que é a realidade de inúmeras mulheres na sociedade atualmente.
      Em suma, é notório o crescente índice de contaminação por DSts. Portanto, é primordial que a mídia promova vídeos e propagandas enaltecendo a figura de preservativos no momento das relações sexuais. Outrossim, é fundamental que o governo invista em palestras com infectologistas em escolas mostrando as finitas enfermidades que esta podem causar nos organismo, com o intuito de manter os jovens informados acerca desse assunto. Assim, o número de infectados decairá consideravelmente e isso não será um problema na saúde pública.