O carnaval como símbolo da nacionalidade brasileira no século XXI

Envie sua redação para correção
    A desvalorização do carnaval como elemento da cultura nacional evidencia que o Brasil encontra-se em um período de distorção de valores éticos. Analogamente, Émile Durkheim viveu um período marcado por patologias sociais e, por isso, desenvolveu o conceito de anomia em sua obra "Suicídio", de 1897. Dessa forma, vê-se que a sociedade está vivendo uma anomia social. Assim, é notório que a desvalorização do carnaval como cultura nacional é um problema coletivo, ocasionado pela visão capitalista sobre o evento e desencadeando uma perda na identidade nacional. 
      Em primeira instância é válido mencionar que o carnaval está se tornando elitizado, pois foram criados eventos e camarotes fechados com preços altos. No entanto, é proporcionado uma parte aberta ao público, porém, sem segurança adequada e esse fato afasta ainda mais a classe de menor renda desse acontecimento de valor nacional. Sendo assim, é possível observar que o capitalismo tomou o lugar do valor identitário do país. No século XVIII, os filósofos iluministas tinham o propósito de iluminar as trevas em que se encontrava a sociedade. No contexto desse panorama histórico, é perceptível a semelhança entre as trevas e a elitização do carnaval. Dessa maneira, conclui-se que essa problemática pode desencadear diversas consequências prejudiciais à sociedade. 
      Nessa mesma perspectiva, pode-se apontar que o carnaval é um importante elemento da identidade do Brasil e a perda do sentido dessa tradição afeta a riqueza cultural. O Romantismo nacionalista de José de Alencar abordou e explicitou a necessidade de valorizar a identidade nacional, no entanto, esse valor não está se mantendo. Além disso, vale ressaltar que o carnaval também tem um valor histórico e social, pois as escolas de samba retratam esses temas em seus desfiles. Em suma, observa-se que essas consequências resultam na falta de diretrizes em prol de uma sociedade mais ajustada em relação à cultura, rompendo com a harmonia social. 
      Logo, é pertinente concluir que a desvalorização do valor cultural do carnaval é um problema e há imprescindibilidade de mudar os paradigmas dessa problemática. Dessa forma, faz-se necessária a aquisição de novos valores, através de seminários e plataformas digitais, efetuados pelo Ministério da Educação, a fim de reafirmar o valor cultural e romper com a visão capitalista desse acontecimento. Outra medida plausível seria a ampliação da segurança nos eventos e a limitações de eventos fechados, repartindo a sociedade, efetuado pela integração de órgãos nas três esferas (federal, estadual e municipal), com a finalidade de possibilitar a união da sociedade e com segurança nos dias de carnaval. Desse modo, é primordial a diligência de toda a sociedade brasileira para adquirir as modificações necessárias. Por fim, de acordo com Immanuel Kant, toda mudança depende de esforço.