Envie sua redação para correção
    De origem européia,o carnaval chegou ao Brasil no período colonial e é tido como uma tradição brasileira.Entretanto, é investido dinheiro público,de maneira irresponsável,em tais  festas populares, que  dão pouco retorno financeiro a sociedade.                                                                                                                            Visto que,o carnaval  "carnis levale"(retirar a carne),era uma festividade cultural praticada em cidades como florença, na Itália, em meados do século XV,não se configura como uma festa de origem brasileira.Com o fortalecimento do poder da igreja,no século XV, a festividade teve que se enquadrar aos dogmas cristãos.No período colonial brasileiro,o entrudo, umas das primeiras formas do carnaval era praticado por escravos e,atualmente,o carnaval é praticado por membros de todas as classes sociais.Todavia,o Estado desperdiça o dinheiro público em festas populares que dão pouco retorno econômico à sociedade  e, além disso, tem de disponibilizar a mão de obra dos garis para limpar as ruas.É bem verdade, como afirma o saudoso filósofo Luiz Felipe Pondé "o carnaval tornou-se uma festa invasiva,tornando grande parte das cidades intransitável e, ao que parece, vem perdendo o limite dentro do calendário".O Estado deixa de investir em serviços públicos essenciais,para investir em prazeres momentâneos de parte da população brasileira deixando saúde, educação e segurança em segundo ou terceiro plano.Ademais,segundo o instituto liberal 70 municípios anunciaram que não investirão nas festividades do carnaval no ano de 2019,porém,é necessário que os demais municípios e estados façam o mesmo e cumpram com seu papel social,disponibilizando serviços públicos de qualidade.Pois,por exemplo, 93% da população brasileira está insatisfeita com o Sistema Único de Saúde(SUS), segundo o G1, portal de notícias da rede globo.No entanto, há defensores da festa popular que afirmam que o carnaval aquece a economia.Logo,se aquece a economia e gera grandes riquezas,os blocos, enriquecidos de verbas públicas,arrecadadas no decorrer dos anos, devem financiar o carnaval.                               Portanto, é necessário que a população brasileira se conscientize,através de sites econômicos proativos como o mises Brasil,  e instiguem-se a exigir que o poder público deixe de investir no carnaval , e invista em serviços públicos de qualidade.Porém, os blocos de carnaval,comerciantes e aqueles que , de alguma forma,tiram seu sustento a partir das festas do carnaval devem receber imunidade tributária,durante as festividades,a fim de não prejudicar a manifestação cultural.À medida que, o Estado deve limitar as datas festivas, de modo a não prejudicar o transito e o comércio.Se não respeitado os limites festivos, deve-se aplicar multas aos blocos carnavalescos que continuarem obstruindo as vias públicas.