O combate à pedofilia no Brasil

Envie sua redação para correção
    Em plena contemporaneidade, nota-se que o combate à pedofilia é um aspecto que precisa ser aprimorado. Embora existam serviços que buscam receber denúncias e proteger os cidadãos de tal atrocidade, muitas crianças e adolescentes ainda são vítimas diariamente de abusos sexuais no Brasil, tornando necessária a tomada de medidas para resolver a questão. 
         Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 20% das meninas e mulheres de até 18 anos sofreram algum tipo de violência sexual no mundo. Com a criação do Disque Direitos Humanos, um mecanismo que busca receber denúncias contra violações de direitos humanos, houve uma maior facilidade da população em denunciar casos de assédios e abusos que muitas pessoas são submetidas. Entretanto, tendo em vista a vasta quantidade pessoas que vivem no país, é preciso que toda a sociedade seja informada sobre a importância e existência deste serviço. 
         Contudo, ainda é perceptível que a pedofilia geralmente acontece de maneira sigilosa. De acordo com site R7 Notícias, 48% dos casos de abuso contra criança acontecem dentro de casa. Ademais, muitos pais não procuram conversar com seus filhos e participar mais ativamente de sua vida social e escolar, o que contribui para que  ocorra a persistência desse ato no meio familiar ou escolar.
        É imprescindível, portanto, que se tomem providência para resolver o impasse. Secretarias de Direitos humanos precisam fortalecer institucionalmente órgãos responsáveis pelo combate à pedofilia e punições diante de seu cometimento. As prefeituras, em parceria com o Ministério das Comunicações devem realizar campanhas midiáticas e palestras de esclarecimentos para toda a população sobre o Disque 100. Além disso, as escolas devem criar ações educativas que buscam discutir e auxiliar as crianças e adolescentes sobre a pedofilia, orientando também os pais para que conversem abertamente sobre esse tema com seus filhos. Afinal, como afirmou Platão: “o importante não é viver, mas viver bem”.