O combate à pedofilia no Brasil

Envie sua redação para correção
    Apesar de ser um crime amplamente condenado e repudiado pela sociedade brasileira, a denúncia de casos de pedofilia continua ocorrendo em larga escala, sinal de que a forma como esse mal vem sendo combatido está totalmente ultrapassada e precisa ser replanejada para se tornar mais eficiente.
     O primeiro passo para isso é ver o que ou quem está errado, algo que não é muito difícil. Sempre que se noticia a ocorrência desse tipo de descumprimento da lei, a primeira reação da sociedade perante o fato é de total revolta perante a atitude do criminoso que cometeu tal delito, isso não é ruim se aplicado á pessoas comuns que nada podem fazer em relação ao assunto, porém é grave quando não gera reflexão por parte das pessoas que podem mudar isso, responsáveis por cuidar da área de segurança pública, psicólogos e psicanalistas, por exemplo, além é claro da área jurídica(Juízes, Promotores e Ministros do STF) e de nossos políticos, que deveriam se preocupar em sancionar leis e discuti-las para melhorar o quadro atual, porém infelizmente tais indivíduos só estão preocupados com seus privilégios. 
     Toda essa condensação de erros acaba gerando uma terra sem lei, muito parecida com a ideia de estado de natureza criada por Thomas Hobbes, pois nunca se pensa em combater o problema e sim em dar uma ducha de água fria na situação, para afastar o alarde provocado pela mídia e o infrator acaba sempre jogado em uma cela de prisão, em alguns casos até por pouco tempo, por possuir um bom advogado e por possuirmos um código penal totalmente ultrapassado, enquanto o problema só se agrava. 
     Para uma melhora dessa situação, deve ocorrer um estudo de parceria entre os governos e profissionais das áreas de psicologia e psicanálise , para compreender o que gera a ocorrência dessas infrações e se organizarem por meio de palestras em escolas e universidades, para conscientizar e impedir as gerações futuras de cometerem atos tão horrendos como o abuso sexual de menores.