Enviada em: 01/08/2019

Segundo Gil Lúcio em seu livro O Engraxate que virou Phd, o espírito empreendedor alavanca a economia e torna o homem livre. Vindo de uma família pobre, Gil, através do seu trabalho árduo como engraxate, obteve tanto êxito que conseguiu chegar ao ápice: torna-se um Phd na área da qual sonhava. Visto isso, é válido ressaltar que, na realidade brasileira, em consequência da alta taxa de desemprego, o cidadão comum tem optado por desenvolver seu próprio negócio.   De acordo com a revista Veja, cerca de 75% dos desempregados têm buscado desenvolver suas próprias empresas, porém muitos optam pelo trabalho informal, visto que a alta tributação para os empresários no Brasil é muito alta. Por isso , percebe-se que hoje nas ruas das principais cidades do país, é possível ver o aumento crescente de vendedores ambulantes e feirantes que buscam fugir dos impostos com o comércio livre.   Ademais, as redes sociais prestam um papel importante no aumento do empreendedorismo, pois é através delas que muitos cidadãos, de maioria desempregada, obtém uma fonte de renda. O Instagram, por exemplo, tem sido uma das redes sociais mais usadas para vendas e publicidade. "Eu estava desempregada, e me vi na oportunidade de ganhar dinheiro com meu próprio negócio, comecei vendendo itens de papelaria e hoje tenho a maior loja virtual de artigos médicos do Brasil" diz proprietária da loja virtual MedCenter.   Portanto, cabe ao Estado, por meio de leis e investimentos, com um planejamento adequado, incentivar o empreendedorismo social e diminuir a alta taxa de tributos para as pequenas empresas, como uma alternativa no combate à pobreza e ao desemprego, a fim de fomentar a melhora da economia brasileira e a diminuição das desigualdades sociais geradas pela falta de emprego, pois só o trabalho dignifica o homem.