Envie sua redação para correção
    A partir do século XVIII, quando a primeira Revolução Industrial ocorreu, o modelo econômico capitalista expandiu-se por todo o mundo, tornando-se o mais usado nos países até a atualidade.Porém, com o desenvolvimento das sociedades ficou claro a importância de diminuir as desigualdades sociais geradas pelos indivíduos, com esse ponto de vista surge a evolução do capitalismo tradicional: os negócios sociais, que são um importante meio para o combate da pobreza.Entretanto, iniciativas assim sofrem dificuldades para serem difundidas por falta de apoio financeiro e de elevados juros para empréstimos. 
       Em países com altas desigualdades sociais como o Brasil, projetos que oferecem educação e qualificação profissional são extremamente importantes para que os cidadãos consigam um desenvolvimento pessoal e profissional.Todavia, a falta de iniciativas como o Criança Esperança, que apoia projetos sociais, faz com que muitos possíveis empreendimentos não saiam do papel por escassez de recursos.Por consequência, ainda é muito difícil que o ciclo da pobreza seja quebrado na sociedade brasileira. 
       Além disso, segundo o Ministério da Cidadania, outro negócio social que contribui para o combate da pobreza é o oferecimento de crédito com baixas sobretaxas, para que assim o indivíduo invista em sua própria forma de gerar renda.Contudo, os altos juros cobrados por bancos brasileiros fazem com que a população de baixa renda e que mais precisa desse recurso não consiga arcar com os custos impostos.Por isso, a maioria dos cidadãos ficam presos em um ciclo sem esperança de melhora, o que além de prejudicar a si próprios, ainda impacta de forma negativa a economia do Brasil.
      Portanto, é necessário tomar medidas para que o empreendedorismo social seja difundido e assim ajude no combate da pobreza.Em primeiro lugar, o Ministério da Cidadania deve criar um projeto que amplie a visibilidade das iniciativas sociais, por meio de incentivos fiscais para atrair empresas privadas, e assim elas entrem com o capital necessário.Ademais, O Ministério a Economia deve fazer uma parceria com os bancos, para que esses criem uma linha de créditos com baixo juros para os cidadãos de baixa renda e assim eles consigam ter condições de gerar sua própria renda.Com efeito de tais medidas, os cidadãos serão beneficiados e o ciclo da pobreza terá um fim.