O empreendedorismo social e o combate à pobreza no Brasil.

Envie sua redação para correção
    Empreendedorismo social é uma forma de negócios que geram lucros e trazem ideias que contribuem para o desenvolvimento da sociedade, tem como público alvo pessoas excluídas do mercado, ajudando a combater a pobreza e a diminuir a desigualdade, oferecendo oportunidade para todos. Portanto, a inclusão dessa ideia no Brasil tornou-se uma distopia, uma vez que o cenário para isso é favorável.
          Tendo como base um dos países pioneiros nesse negócio, Guatemala, o empreendedorismo social é uma forma que os indivíduos utilizam para crescer economicamente e sair do ciclo que a pobreza impõe à sociedade. Essas pessoas correspondem a mais de 50% da população e entre elas estão desde as sem educação formal até as com diplomas universitários. Sendo assim, é a base da sobrevivência de ao menos 60% da população do país, e fez com que a distribuição da renda crescesse e melhorasse a qualidade de vidas desses cidadãos, informações dadas pelo site "Mercado Popular".
          O empreendedorismo social já está em voga no Brasil, e apenas entre 2011 e 2012  houve uma alta anual de, aproximadamente, 15% do salário dos trabalhadores informais, tendo alguns casos onde começam a ter melhores lucros do que os de carteira assinada. Sendo assim, esse comércio além de auxiliar a economia do país, aumentando o número de compradores, também é uma forma facilitada aos trabalhadores, uma vez que a competição de oferta e procura é menos acirrada do que a de contratantes, dados fornecidos pelo Estadão. 
          Portanto, conclui-se que o trabalho informal está sendo a melhor forma de combate à pobreza, não só no Brasil, como no resto do mundo. Logo, apesar de não gerar lucros diretamente para o Estado, o microempreendedor tem um papel importante para a sociedade e economia, melhorando a qualidade de vida e a distribuição da renda, quebrando o ciclo da pobreza. Sendo assim, o governo federal, juntamente com o Ministério do Trabalho e da Economia, deveriam facilitar os caminhos, diminuindo impostos ou até auxiliando financeiramente, para que o empreendedorismo social cresça no país, fazendo então com que os cidadãos possuam maior oportunidade para seu desenvolvimento.