O empreendedorismo social e o combate à pobreza no Brasil.

Envie sua redação para correção
    Entende-se atualmente, no Brasil, que para se desenvolver o país economicamente é imprescindível acabar com a  pobreza e, pensando nisso muitas empresas se envolveram em campanhas para minimizar a desigualdade social vivida no século XXI. Assim como a Ambev que investiu no empreendedorismo social e, direcionou o dinheiro arrecadado com um de seus produtos para beneficiar a população necessitada. Apesar de ser uma boa solução, também é preciso ter a mobilização dos setores públicos. 
      Segundo o IBGE, 25,4% da população brasileira vive na linha da pobreza atualmente. Com a iniciativa de grandes empresas em investir nesse setor da sociedade, acredita-se que o índice de pobreza diminua e, a partir disso, o país possa se desenvolver cada vez mais e superar os problemas causados pela desigualdade social, entre eles a fome e o desemprego.
      Ações como essas, além de ajudar os necessitados e desenvolver a economia, acrescentam, também, valor à marca que traz credibilidade e segurança ao consumidor, que se vê motivado a comprar produtos que podem, de alguma forma, se converter em ajuda à população pobre, tornado o ato um beneficio tanto para os pobres quanto para a empresa.
      Portanto, é necessário desenvolver medidas para estimular o aumento do empreendedorismo sociais e a diminuição da pobreza no Brasil. Deve-se exigir medidas do governo para que essas empresas recebam benefício como a diminuição de impostos, para que outras sintam-se motivadas a desenvolver projetos sociais. Assim, o Brasil continuará se desenvolvendo com uma desigualdade social cada vez menor.