O impacto dos blocos econômicos no comércio de seus integrantes.

Envie sua redação para correção
    No início do século XIX a globalização ganhou forças no mundo inteiro, por sua vez prevê uma economia neoliberalista, da qual se incluem a formação dos blocos econômicos. Eles representam alianças econômicas e sociais entre os países membros, o que facilita a política de comércio de importação de produtos e, em alguns casos envolve a livre circulação de pessoas, como na UE (União Europeia). 
          A participação em um bloco tem extrema importância para um país, pois dependendo do acordo o pagamento de tarifas de importação pode ser reduzida ou extinguida. Contudo, esse fato contribuiu para a importação de produtos nacionais, porém também facilita a entrada de produtos estrangeiros, dos quais geram uma ampla concorrência com as empresas nacionais, que muitas vezes vão à falência. 
          Da mesma forma como a entrada em um bloco econômico pode ser beneficiadora, a saída provavelmente será devastadora, como exemplo atual há o Brexit, que designa a saída do Reino Unido da UE. Essa decisão, tomada por meio de um plebiscito, tem previsão de afetar o PIB britânico em até 9,5%, segundo o site “super.abril”. 
          Outra consequência negativa da participação em blocos econômicos, da qual afetou diretamente o Brasil, foi a imposição do Mercosul ( bloco do qual o Brasil é membro) de não permitir a negociação direta dos países participantes com a UE, o que gerou um imenso prejuízo ao Brasil. Diante disso, foi criado recentemente o tratado RIO, do qual elimina as tarifas de 93% das exportações entre Mercosul e UE, segundo o jornal “ o Globo”. 
          Portanto, constata-se que a participação em blocos econômicos é de extrema importância, porém envolve decisões que devem ser tomadas com muita cautela e estudo, para não gerar prejuízo nacional e internacional. Diante dessa afirmação, o Ministério da Economia deve tomar decisões que beneficiem a economia do Brasil, como o tratado RIO, porém complementarmente como uma política de valorização dos produtos nacionais, para desta forma desenvolver o mercado interno tanto quanto o externo.