O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Envie sua redação para correção
    Desde o século XV,já existia a necessidade de combater insetos,fungos e bactérias presentes no campo,usando compostos químicos tóxicos,como arsênio e DDT,que possuem a finalidade de exterminar pragas que dizimam com grandes plantações.Passados mais de cinco séculos, o uso de agrotóxicos se torna cada vez mais expressivo,acarretando em consequências dramáticas,já observadas,em todo planeta. A contaminação de aquíferos e lençóis freáticos,intoxicações por herbicidas são apenas dois efeitos preocupantes originados pelo uso exorbitante de agrotóxicos no Brasil e no mundo.
       Em primeira análise,cabe pontuar que os preceitos darwinianos da seleção natural,se aplica diretamente a dosagem dos agrotóxicos usados.A cada aplicação,apenas os indivíduos mais fortes sobrevivem,reproduzindo descendentes mais resistentes à pesticidas,forçando os agricultores à aumentarem a quantidade de agrotóxicos para exterminarem com a geração posterior.Consequentemente,o consumidor é contaminado com os altos resíduos tóxicos presentes nos alimentos que,desde 1999,já mataram mais de 2.449 pessoas por intoxicação no Brasil.
       Ademais,convêm frisar que grande parte dos pesticidas são absorvidos pelo solo e, por seu caráter denso e solúvel em água,provoca a acidificação e eutrofização das águas,inibindo a absorção de minerais pelas plantas.Dessa maneira,a contaminação do solo,provoca a poluição das águas,ocasionando a queda de fertilidade da terra,que reduz e prejudica as safras subsequentes.
        Diante das consequências causadas pelo uso exagerado de agrotóxicos,é necessário que os Ministérios do Meio ambiente e da Saúde elaborem uma cartilha de instrução a população,demonstrando passo a passo,o processo de lavagem e esterilização de frutas e vegetais para que o número de intoxicações por pesticidas diminuam.Também,é imprescindível que a Secretaria Geral do Estado promova inspeções regulares às fazendas,com engenheiros agrônomos para avaliar a qualidade do solo e evitar os processos de desertificação e eutrofização do solo e da água.