O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Envie sua redação para correção
    Veneno invisível
    
          Responsável por uma série de intoxicações desde o início de sua aplicação na agricultura brasileira, o uso indiscriminado de agrotóxicos se tornou, ao longo do tempo, uma grave questão de saúde pública. O fato dessas substâncias serem de uso legal - o que, por sua vez, facilita seu acesso por parte de produtores agrícolas - auxilia o seu uso em larga escala. Tudo isso ocasiona, decerto, muitas discussões e pouca fiscalização acerca da utilização de agroquímicos.
          Segundo dados recentemente publicados pela Anvisa, a utilização de agrotóxicos cresceu, no Brasil, cerca de 190% no período de 2008 a 2018, tornando-o o país líder mundial na utilização dessas substâncias. Essa mesma pesquisa evidencia que grande parte dos defensivos agrícolas utilizados no cenário verde-amarelo são de alta periculosidade para a saúde humana, sendo que já foram proibidos em países como os Estados Unidos e membros da União Europeia.
          Dessa maneira, torna-se clara a necessidade de uma maior fiscalização dos agrotóxicos e novas formas de produção agrícola. Nesse cenário, a técnica conhecida como Produção Integrada e o método do Controle Biológico surgem como maneiras sustentáveis - uma vez que diminuem os custos e a necessidade por produtos químicos na manutenção do plantio - para o controle de pragas. O maior impasse situa-se na recente chegada dessas técnicas no Brasil, o que justifica, consequentemente, o baixo acesso a elas, especialmente por parte da agricultura familiar, que, segundo documento da ONU, é responsável por cerca de 80% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros.
          É válido, portanto, um maior estímulo, por parte do Ministério da Agricultura, à utilização das novas técnicas agrícolas por parte dos produtores, sendo que esse incentivo deve ocorrer por meio de financiamentos realizados na aquisição das novas tecnologias para o campo. Ademais, é necessária a proibição, por parte da Anvisa e sua comissão de fiscalização química, de substâncias prejudiciais à saúde humana.