Envie sua redação para correção
    Segundo Gandhi, "o futuro depende do que fazemos no presente". Nesse sentido, ponderar o uso de agrotóxicos no agora é essencial para garantir a segurança alimentar a posteriori. Contudo, no Brasil, a economia é dependente do uso ostensivo dos defensivos agrícolas.
          No fim do século XIIX, o estudioso Thomas Malthus, fizera previsões aterrorizantes. Segundo ele a população cresceria mais rapidamente que a produção de alimentos, gerando fome no mundo. Hoje sabemos, essa hipótese não se concretizou. Isso ocorrera, em grande medida, graças ao desenvolvimento tecnológico, desprezado por Malthus. Máquinas agrícolas, adubação química, o desenvolvimento de transgênicos e principalmente os defensivos agrícolas constituem a mais notável causa do erro Malthusiano. Dessa forma, o uso de agrotóxicos é crucial tanto para a produção agrícola do país quanto para a segurança alimentar de toda a humanidade.
          Contudo, nos dias atuais, é notório o uso desmensurado e irresponsável desses produtos, grandes e pequenos produtores rurais usam inseticidas, herbicidas e fungicidas sem qualquer controle sanitário ou preocupação com a saúde dos consumidores. A égide do lucro subverte todos os valores e princípios éticos. Assim, justifica-se a assertiva de Milton Santos, segundo o qual o capitalismo é perverso, pois coloca o lucro a cima da saúde e das vidas humanas. 
          Cabe, portanto, ao governo federal e ao terceiro setor a tarefa de reverter esse quadro. O terceiro setor, composto por associações que buscam se organizar para logra melhorias na sociedade, deve, através das mídias digitais, denunciar as empresas e agricultores que desrespeitam a legislação e fazem uso indiscriminado de agrotóxicos, sem contudo depreciar o uso moderado dessas substâncias. O Estado, por sua vez, tem o deve de conscientizar os agricultores sobre o uso adequado dos defensivos por intermédio de cursos de capacitação oferecidos pelo ministério da agricultura e seus órgãos afiliados. Assim, poderemos cuidar da saúde pública sem prejudicar a segurança alimentar no país.