O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Envie sua redação para correção
    Desde a consolidação do capitalismo, no século XVI, as indústrias mundiais buscam ferramentas tecnológicas para aumentar a produção em massa dos seus produtos a fim de satisfazer as necessidades do mercado, porém ignoram os efeitos que os seus produtos possam ocasionar tanto aos consumidores quanto ao ambiente em que são produzidos.No campo, os agrotóxicos são utilizados para garantir o sucesso na produção do agronegócio contra pragas e doenças, no entanto contaminam a produção com substancias químicas e poluem o solo.Nesse contexto, o uso de defensores agrícolas se revela uma ferramenta nociva à saúde humana e ao meio ambiente mundial.
          Segundo dados do Ministério da Saúde(MS), entre 1999 e 2012 o Brasil teve 114.598 mil mortes causadas por agrotóxicos. As substâncias químicas utilizados como defensores agrícolas estão presentes em mais de 80% dos alimentos produzidos no campo e são responsáveis por infecções agudas, dores no corpo, tonturas e podem levar o consumidor a óbito.Ademais, favorecem para o esgotamento de nutrientes do solo e contaminação dos lençóis freáticos.
          Contudo, caminhamos lentamente em direção à solução do problema.Devido ao processo burocrático e extenso das leis em proibir o uso de agrotóxicos comprovados como tóxicos e a ausência de investimentos em processos produtivos e preventivos mais modernos, o agronegócio permanece utilizando substâncias nocivas a saúde e ao ambiente em sua produtividade.
          É evidente, portanto, que há entraves na remoção de substâncias químicas nocivas na produção do agronegócio.Para que isso ocorra, o Sistema Judiciário deve reduzir a burocracia envolvida no julgamento da exclusão de defensores agrícolas tóxicos, por meio do aumento de juízes disponíveis e da agilização dos processos.Além disso,é necessário uma parceria entre a Receita Federal e empresas industriais tecnológicas, no qual por intermédio da redução de impostos, essas empresas promovam pesquisas e testes científicos no campo, objetivando à criação de ferramentas mais eficazes que possam auxiliar a produção agrícola sem poluir o ambiente e infectar os consumidores.