Envie sua redação para correção
    Muito se discute, na sociedade brasileira, sobre o uso de agrotóxicos, sobretudo em relação aos malefícios causados ao meio ambiente e na saúde humana pela utilização desse veneno. Nesse contexto, a população mundial, bem como a brasileira, passou por um acentuado aumento demográfico após a Segunda Guerra Mundial e, com isso, houve a necessidade de aumentar a produtividade agrícola. Portanto, uma das estratégias para aumentar a produtividade foi a elevação na quantidade de agrotóxicos utilizados nas plantações brasileiras. Porém, as consequências do aumento indiscriminado da utilização de defensores agrícolas são inúmeras, tais como: poluição dos rios e do solo, risco de desenvolvimento de pragas mutagênicas, intoxicação de seres humanos e entre outros.
         No que se refere à temática em questão, pode-se destacar os efeitos desastrosos da utilização dos agrotóxicos para o meio ambiente. Outrossim, a Organização das Nações Humanas(ONU) pontuou sobre o desequilíbrio nos habitats naturais dos seres vivos e o risco de extinção de espécies devido ao aumento da utilização de defensores agrícolas. Nesse cenário, o Brasil tem vivenciado as implicações no meio ambiente por causa do aumento da utilização de agrotóxicos e, por conseguinte, colocando em risco a biodiversidade dos biomas brasileiros. Assim, a instabilidade nas cadeias alimentares pode desencadear uma catástrofe incomensurável que deve afetar, em última análise, o ser humano.
       Ademais, o aumento na utilização de venenos nas lavouras brasileiras têm afetado a saúde, principalmente, das pessoas que manejam o produto. Não raro, os trabalhadores do campo, por não utilizarem equipamentos de proteção adequado, sofrem com doenças graves como, por exemplo, leucemia, problemas respiratórios, amputação de membros e, em alguns casos, perdem a própria vida.
    Porquanto, a situação torna-se ainda mais grave, pois a maioria dos cidadãos afetados com essas enfermidades são pessoas pobres que, mesmo doentes, continuam exercendo suas atividades, ou seja, estão curando a lavoura e se tornando mais doentes.
       Diante dos argumentos supracitados, torna-se fundamental que o Ministério da Agricultura, em coparticipação com o Ministério do Meio Ambiente, desenvolva um projeto de produção agrícola sustentável. Nesse projeto, haveria subsídios e incentivos fiscais para os produtores que reduzissem o consumo de agrotóxicos e, em contrapartida, utilizassem o controle biológico de pragas com o intuito de manter o equilíbrio ecológico do meio ambiente. Além disso, o Governo Federal deve aumentar a fiscalização nas lavouras brasileiras com o objetivo de instruir os trabalhadores sobre a importância da utilização de equipamentos de proteção ao manejar defensores agrícolas e, dessarte, reduzir os casos de contaminação por agrotóxico que tanto tem afetado a saúde dos agricultores.