O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Envie sua redação para correção
    O uso de pesticidas, defensivos agrícola é algo comum a toda plantação. Com o intuito de combater as pragas e evitar a proliferação de doenças os agrotóxicos são utilizados em larga escala. Entretanto, nos últimos anos, é recorrente notícias dos efeitos negativos que estes causam a população, sejam por meio de doenças ou por meio da degradação que ele causa ao ambiente. 
         As indústrias que produzem estes insumos são, em sua grande maioria, multinacionais que visam por mais vendas, gerando maiores lucros. Só no ano de 2014, o faturamento delas foi de 12 bilhões de dólares, o que significa mais investimentos em pesquisas, para uma maior variedade de agrotóxicos e, em contrapartida, menor atenção com os riscos que causam aos indivíduos. O Brasil é um país com grande dependência do setor agrícola, principalmente das chamadas commodities (termo designado para nomear as principais matérias primas utilizadas em todo o mundo). Esses produtos são cotados nas bolsas de valores mundiais e são totalmente influenciados pela produção e comércio dos agrotóxicos. 
        Os agrotóxicos surgiram nos anos de 1940, período da Segunda Guerra Mundial, em que foi utilizado como arma química. Hoje, após anos de estudos, obteve-se defensivos ainda mais nocivos e capaz de, semelhantemente ao passado, destruir centenas de vidas. Os casos de contaminação de pessoas registrados pelo SUS chegam a 34 mil e tornam-se cada vez mais preocupantes, tendo em vista que o uso é intenso e a conscientização é irrisória. Ao notarmos o aspecto meio ambiente, ele é, de maneira análoga, atingido de maneira irreversível, visto que são contaminadas nascentes e afluentes de rios, vegetações ciliares e reservas subterrâneas de água, além de destruir habitats de animais silvestres. 
          Deste modo, portanto, é evidente que o uso de agrotóxicos tanto no Brasil quanto no mundo se dá de forma desregulada, sem a conscientização devida e sem a regulamentação apropriada. Cabe ao Estado fiscalizar e intensificar a burocracia, não facilitando o uso de veneno na produção de alimentos. Às escolas e à sociedade é necessário ratificar a consciência de um meio ambiente menos poluído.