O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Envie sua redação para correção
    Em países como os Estados Unidos e a União Europeia, o uso de alguns agrotóxicos foram banidos por serem considerados um perigo para a nação. No Brasil, entretanto, essa prática cresce gradativamente, dando ao país o status de 1° lugar na utilização desses recursos, e consequentemente, prejudicando toda a população. Nesse sentido, convém analisarmos essa problemática na sociedade brasileira. 
     Em primeiro plano, podemos apontar a liberação dos trangênicos, como um dos principais motivadores para o agravamento dos impactos ambientais, visto que, o cultivo dessas sementes geneticamente modificadas exigem uma grande quantidade de agrotóxicos, contribuindo diretamente a contaminação dos solos, rios, lençois fréaticos, etc. Estima-se que o contágio de lagos por esses produtos fica "atrás"  somente dos esgotos, segundo uma pesquisa feita pelo IBGE. É inaceitável que mesmo tendo consciência dos resultados drásticos a que essa pratica proporciona, continua a crescer a demanda por esses venenos. 
     Outrossim, a utilização desses recursos para o extermínio de pragas é bastante usado a fim de eliminar insetos e doenças que espalham-se com muita rapidez, contaminando toda a agricultura e destruindo-a, por este motivo os lavradores exageram na dose desses agroquímicos para destruir a proliferação, antes que se alastre, porém como consequência, a saúde humana é prejudicada, já que, a população  se alimenta dessas mercadorias repletos de produtos químicos, ocasionando em muitas doenças, principalmente o câncer. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 40 mil pessoas foram intoxicadas desde 2007. Apresenta-se, desse modo, preocupante o uso abusivo desses defensivos agrícolas, uma vez que, as mortes relacionadas a essa prática insiste em aumentar. 
     Dessa maneira, a questão do uso de agrotóxicos no Brasil requer medidas mais efetivas para ser amenizada. Sob esse aspecto, cabe ao Governo criar leis que proíbam o uso desses praguicidas pesados e invistam em tecnologias que substituam esses recursos por algo que não atinja negativamente a saúde humana e o meio ambiente, por meio de fiscalizações e multas para indivíduos que insistam em usar esses meios perigosos em nossa nação. Espera-se, com isso, a amenização dos problemas a que isso proporciona a nossa sociedade.