O uso de animais em pesquisas e testes científicos no Brasil.

Envie sua redação para correção
    Em 1889, pesquisadores descobriram a existência de insulina no pâncreas de um cachorro. Em 1921, um médico canadense conseguiu isolar a substância a partir de glândulas pancreáticas de um outro cão. De fato, isso representou um grande avanço e, consequentemente, livrou muitas pessoas da morte. Entretanto, é preciso analisar até onde é válido sucessos científicos as custas do sofrimento de outros seres e, com isso, analisar formas alternativas nas quais cobaias vivas não são necessárias.
          Em primeira análise, pode-se relatar que testes laboratoriais podem causar sofrimento físico e mental aos animais. Dessa forma, estes seres estariam sendo explorados para a obtenção de avanços que beneficiam somente o homem — o que é um dos principais argumentos de grupos que são contra essa prática. Entretanto, um ponto importante e positivo de frisar é que esses processos são analisados pelo Conselho Nacional de Controle e de Experimentação Animal(Concrea) a fim de obter maior bem-estar possível aos seres testados.
          Convém verificar, ainda, que é preciso ocorra a inseminação de métodos que substituam as cobaias no maior número de pesquisas possível. De fato, é evidente que um ser vivo é extremamente complexo e que por isso seria praticamente impossível a invenção de uma técnica que simule todas as suas atividades metabólicas. Contudo, existem áreas que possuem testes mais simples e que podem ser feito sem animais. Exemplo disso, são as marcas de cosméticos veganos como a Surya Brasil.
          Infere-se, portanto, que o uso de animais em pesquisas já provocou grandes conquistas científicas, no entanto, é preciso que ocorra uma modernização na prática de experimentos para que o uso de cobaias se torne um ato antiquado. Para isso, é preciso que a comunidade científica em parceria com grandes empresas que atualmente fazem testes em animais, como a Mary Kay e a P&G, passe a investir no desenvolvimento de métodos que substituam o uso de seres vivos. Desa forma, espera-se que o verdadeiro bem-estar animal seja alcançado.