Enviada em: 23/05/2018

A revolução industrial, trouxe consigo o desenvolvimento tecnológico, econômico e social. Todavia, quando se observa a poluição sonora, no Brasil, hodiernamente, verifica-se que essa transformação histórica transportou problemáticas intrinsecamente ligado à realidade do país, seja pela inércia do estado, como também pelo descaso do cidadão. Nesse viés, convém ponderar os relevantes fatores de tal comportamento negligente para a sociedade.       É irrefutável que o quesito constitucional e sua aplicação estejam entre as causas da problemática. Segundo o escritor brasileiro Machado de Assis, ¨o juízo é a ordem, é a constituição, a justiça e as leis¨. Desta forma, percebe-se que apesar de a poluição sonora ser um crime ambiental, as  políticas públicas de implementação e as fragilidades da legislação de controle da poluição sonora, tornam-se vulneráveis comparados aos números de denúncias de pertubações de sossego e bem estar, causando transtornos, estresses caso de intervenção do estado, saúde pública.     Outrossim, destaca-se que o cidadão sabendo da legislações pertinentes referente a poluição, ainda sim, uso meios de agravantes, como carro som fazendo propagandas, apertando buzina de carro sequencialmente no transito, festas com som acima de decibéis permitidos, em ambientes inapropriados. Nesse cenário, de acordo Durkheime o fato social é uma maneira coletiva de agir e pensar, portanto, as atitudes individuais, nesse caso, prejudica o todo, a saúde coletiva.       Logo , para atenuar as problemáticas, deve-através do Ministério da Educação, incluir na grade curricular pedagógica, palestra de educação ambiental com ênfase à prevenção dos efeitos nocivos e/ou irreversíveis da poluição sonora, como também a participação da comunidade para sua conscientização da sua responsabilidade para o efetivo cumprimento da legislação. Além disso, o Ministério Público, aumento o número de servidores para maior fiscalização, mapeando os pontos de maior vulnerabilidade. Assim, evoluímos o estado em harmonia com a sociedade....